fonte: depositphotos
fonte: depositphotos

Esta é a notícia do dia, a Samsung tal como a conheces pode deixar de existir, dividindo-se em pelo menos duas empresas para  desta forma amenizar o impacto negativo causado pelo Samsung Galaxy Note 7, um dispositivo que abalou a companhia até ao seu núcleo. Pois bem, depois da última reunião de investidores e acionistas da marca surgiram várias soluções para amenizar e controlar situações futuras, na eventualidade de se repetir um escândalo deste género.

O ano está a chegar ao fim e, dentro de dois a três meses, o Samsung Galaxy S8 será apresentado oficialmente e já sabemos quais serão as suas características principais. Além disso, hoje ficamos a saber qual poderá ser a nova estratégia da marca para conseguir aguentar possíveis desastres como o do Galaxy Note 7, para que as ondas de choque afetem menos setores desta gigante tecnológica mas, antes de mais, sabes como é que a Samsung, enquanto empresa, está organizada? Passo a explicar:

O modelo atual da Samsung

Esta empresa sul-coreana, tal como a LG, a Hyundai e várias outras gigantes asiáticas, seguem um modelo tradicionalmente apelidado de "chaebol". Passo a traduzir, "Chae" significa riqueza/lucro e "bol" significa clã, família, grupo. Este é o ponto de partida para entenderes o status quo destas empresas, elas são geridas como um grupo unido de vários departamentos, ou melhor, uma família, um conglomerado industrial.

   

O clã funciona da seguinte maneira. A família dominante tem uma presença inquestionável e majoritária em todos os departamentos do conglomerado industrial que é a Samsung. Isto assegura que nenhum terceiro, nenhum forasteiro possa quebrar este conglomerado. Contudo, acaba por entronizar a família dominante, qual monarquia absoluta que dita o futuro e os desígnios da empresa. Em suma, as ordens da direção, cuidadosamente perpetuada na família, não admitem objeção por parte dos investidores e acionistas. As ordens vem do topo e são para se cumprir.

Ora, tendo em conta o impacto negativo que a dupla recolha do Galaxy Note 7 provocou no seio da Samsung, um dos investidores e acionista da Samsung, sugeriu que o departamento eletrónico (onde se insere o departamento de dispositivos móveis), fosse dividido e passasse a marcar presença no índice NASDAQ tal como a Microsoft, Apple e até a Alphabet da Google. Esta medida tornaria a Samsung Eletronics mais fácil de gerir, mais transparente e asseguraria uma resposta mais eficaz e expedita a escândalos como o do Galaxy Note 7.

A mudança, inevitável ou necessária?

Todas as grandes empresas possuem um orgão chamado conselho de diretores ou painel de direção. Este conselho/ painel representa os interesses dos investidores e costuma ser formado por pessoas de diversas áreas de dentro e de fora da empresa. O seu papel é agir como advogados dos acionistas e investidores, equilibrar os interesses e assegurar-se de que todos minimamente satisfeitos. O "Chairman" é o chefe deste conselho de diretores.

Voltando ao presente e às novidades oriundas da última reunião do painel de diretores da Samsung, a hipótese de reestruturação foi colocada em cima da mesa, bem como outras soluções para maximizar os dividendos. Recentemente, o painel de direção instituiu o filho do atual "Chairman" como o mais recente membro deste painel de direção, uma decisão que poderá levar a algumas mudanças drásticas, pelo menos para os padrões sul-coreanos.

Note 7: o responsável por tanta comoção
Note 7: o responsável por tanta comoção

Pode ler-se num dos excertos desta última reunião: " A Samsung Eletronics tem tomado vários passos para simplificar o seu modelo operacional e para se concentrar nas áreas/núcleos essenciais, estes esforços têm vindo a ser tomados há já vários anos e continuamos a analisar novas oportunidades para otimizar o nosso valor a longo prazo. Isto incluir a possibilidade de criar uma nova empresa para poder usufruir das vantagens de estar cotada no mercado bolsista internacional.

Determinar e escolher o melhor modelo operacional é um processo extremamente complexo e implica um esforço estratégico, operacional, legal e financeiro. A empresa solicitou a opinião de vários conselheiros externos e pediu uma análise extensiva para se apurar qual seria o melhor modelo operacional."

Esta declaração não deixa antever qualquer decisão por parte do painel de diretores da Samsung, tampouco as suas preferências. De momento podemos concluir que a empresa está a considerar todas as opções que se lhe apresentam para se precaver perante futuros percalços e para aumentar os seus lucros no final do mês mas podermos ter que esperar cerca de 6 meses até que as conclusões dos conselheiros estejam todas em cima da mesa e uma decisão final seja tomada.

Por último, a simples ideia de que o voto dos simples acionistas, e de qualquer pessoa que, futuramente, possa comprar uma ação da Samsung, tenha algum peso, alguma significado e interferência no processo de decisão e de implementação de novas estratégias da Samsung é algo completamente novo, algo inédito e que demonstra o quanto a Samsung está disposta a mudar para evitar que um novo Galaxy Note 7 lhes expluda nas mãos.


ViaSamsung
FonteREUTERS
Quando não está a escrever um artigo ou a gravar algum vídeo, o Bacelar tem por hábito saborear um bom livro, descobrir novas bandas sonoras ou simplesmente desfrutar do sol, na companhia de quem mais gosta (MM).