Samsung lançará smartphone com câmara embutida no ecrã em 2020

Carlos Oliveira
Comentar

Um novo relatório proveniente da publicação Thelec adianta que a Samsung prepara-se para lançar um smartphone com câmara frontal embutida no ecrã. Se tudo correr como planeado, este dispositivo será lançado já no próximo ano.

Ao que tudo indica, a Samsung deverá começar a produção em massa desta câmara no próximo mês. Os seus planos são para a construção de 30.000 unidades por mês, logo não será um equipamento direcionado para as massas.

Esta limitação de produção exclui a sua inclusão nos Samsung Galaxy S11, pois esta gama vende milhões de smartphones por mês. Desse modo, o futuro Galaxy Fold 2 ou algum modelo da linha Galaxy A aparecem melhor posicionados.

Samsung Galaxy S10

Samsung ainda enfrenta problemas na qualidade das imagens capturadas

O mesmo relatório afirma que a Samsung ainda tem alguns problemas por resolver antes de lançar esta câmara para o mercado. A principal prende-se com a qualidade das imagens capturadas.

O painel OLED distorce a luz que chega ao sensor, o que significa uma redução na qualidade da imagem final. Para contornar o problema, a sul-coreana quer tornar o ecrã o mais transparente possível e desenvolver um software capaz de minimizar a distorção das fotografias.

A Samsung não está sozinha nesta demanda, pois é unânime que, por enquanto, a qualidade das imagens capturadas com estes sensores não é a melhor. Esse facto já havia sido referido pela Oppo, que já apresentou um protótipo com uma câmara embutida no ecrã.

O mercado anseia pela chegada destas câmaras. mas, ao mesmo tempo, exige que a sua qualidade seja equiparável às câmaras convencionais. Eventualmente alguma empresa conseguirá resolver o problema e aquela que o fizer em primeiro lugar, irá levar vantagem sobre a concorrência.

Editores 4gnews recomendam:

Comentar
Carlos Oliveira
Carlos Oliveira
Tendo já passado por várias casas, a 4gnews é aquela que me segura desde 2015. Com um desejo insaciável de me manter atualizado tecnologicamente, a partilha desse conhecimento é apenas o seguimento natural das coisas.