A Samsung está a atravessar uma fase bastante delicada, depois do fiasco do Galaxy Note 7 o medo têm-se alastrado e já é comum ouvir-mos expressões como “Samsung explode” ou, “cuidado com os Galaxy’s explosivos”. Em suma, o público adora um bom escândalo e eis que temos mais um, desta vez foi um Galaxy S7 edge que explodiu enquanto estava a carregar.

Vê também: 76% dos nossos leitores confiam na Samsung depois do desastre do Note 7

Uma coisa é certa, pelo menos os nossos leitores continuam a confiar plenamente na marca sul-coreana mas, com novos casos de equipamentos a sofrer este tipo de acidentes, até quando se manterá esta confiança?

   
another-samsung-galaxy-s7-edge-explodes-jpg
Traseira do S7 edge com bateria inchada

A história de hoje chega-nos através da Phonearena, site que obteve o exclusivo sobre a triste história de um consumidor que tinha recebido o Galaxy S7 edge em questão há cerca de duas semanas, depois de ter entregue o seu Galaxy Note 7 pelos motivos amplamente conhecidos e divulgados nas últimas semanas. Ora, é um pouco irónico quando o equipamento que supostamente te ia tornar imune ao potencial de risco do anterior acaba ele mesmo por explodir.
 De acordo com o relato deste consumidor, o seu novo Galaxy S7 edge estava a carregar durante a noite (com o carregador oficial) quando se deu a explosão. Esta já não é a primeira vez em que um Galaxy S7 edge explode, no mês passado vimos um caso semelhante e, mais uma vez, os acessórios utilizados (cabo e carregador) eram os oficiais.

another-samsung-galaxy-s7-edge-explodes-jpg-2
Painel frontal do S7 edge com indícios bem visíveis de combustão

Este fenómeno não é exclusivo da Samsung e também tem afectado outras marcas como a Apple e um iPhone 7 que explodiu, destruindo o carro onde se encontrava. Contudo, depois de todo o caso Note 7, a Samsung não se pode dar ao luxo de ter outros equipamentos (principalmente de gama alta) a apresentar este tipo de defeitos catastróficos.

Em suma, a grande questão que agora se coloca é a de saber quantas explosões são necessárias para que as construtoras percebam que baterias cada vez maiores, alojadas em espaços cada vez menores e sujeitas a maior pressão ou stress derivado do carregamento rápido apresentam mais pontos de falha. Isto é, basta que um pequeno chip não funcione perfeitamente para que as consequências sejam lamentáveis para o consumidor.

Talvez queiras ver:

Google Pixel XL: Construção modular é uma obra-prima de engenharia

LG G6 deverá deixar de parte a filosofia modular do LG G5

Reebok Liquid Speed: As sapatilhas do futuro são desenhadas a 3D

FontePhonearena

Quando não está a escrever um artigo ou a gravar algum vídeo, o Bacelar tem por hábito saborear um bom livro, descobrir novas bandas sonoras ou simplesmente desfrutar do sol, na companhia de quem mais gosta (MM).