Samsung Galaxy S21 podem vir com novo sensor de impressão digital da Qualcomm

Abílio Rodrigues
Comentar

A Qualcomm apresentou durante a CES 2021 a segunda geração do seu sensor sónico 3D, a versão mais recente da tecnologia de impressão digital ultrassónica no ecrã. Esta nova versão promete uma área de atuação maior e um desbloqueio mais rápido e eficaz dos terminais.

Apesar de ser uma segunda iteração de um produto já de si com grande popularidade, a Qualcomm não se inibiu de dar este ano um enorme salto em termos qualitativos.

Novo sensor da Qualcomm é mais rápido e fiável

Novo sensor da Qualcomm

Em relação ao primeiro modelo temos agora uma área de atuação 77% maior, o que significa que vais demorar menos tempo a pressionar a zona correta do ecrã para desbloquear o smartphone. Ao mesmo tempo o sensor será capaz de recolher mais dados, o que potencia o seu nível de segurança.

Através da combinação de uma superfície de atuação maior com maior rapidez de processamento, o desbloqueio pode ser até 50% mais rápido do que o que era possível com a versão anterior.

A primeira geração do 3D Sonic Sensor fez a sua estreia nos Samsung Galaxy S10 lançados em 2018, com recurso a um scanner ótico bem menos fiável do que este ultrassónico.

Pior que isso, o dispositivo sofria de graves falhas de segurança que permitiam que qualquer um conseguisse desbloquear um terminal protegido por um protetor de ecrã.

Nova tecnologia deve estrear com os Samsung Galaxy S21

A Qualcomm referiu na sua apresentação que vamos começar a ver smartphones equipados com a segunda geração do 3D Sonic Sensor já no início de 2021.

Tendo em conta que a primeira versão estreou com os Galaxy S10, não será descabido julgar que esta tecnologia será incluída em algum elemento da família Galaxy S21 senão mesmo em todos.

Os novos equipamentos da Samsung serão apresentados oficialmente nesta quinta-feira, dia 14 de janeiro. Podes conferir tudo o que esperar dos três novos smartphones neste artigo.

Editores 4gnews recomendam:

Abílio Rodrigues
Abílio Rodrigues
Apaixonado por tecnologia desde que montou o seu primeiro computador, continua em fase lua-de-mel com tudo o que envolva um processador e permita umas sessões videolúdicas.