Samsung Galaxy S11: protetores de ecrã mostram o quão as margens serão finas

Filipe Alves
Comentar

O Samsung Galaxy S11 e S11+ estão a escassos meses de serem revelados de forma oficial e tudo indica que os terminais vão surpreender.

Os rumores passados já nos mostraram imagens da parte traseira do smartphone e hoje temos protetores de ecrã que nos revelam o quão finas serão as margens dos novos smartphones.

Eis as margens do Samsung Galaxy S11 e S11+

Samsung Galaxy S11 e S11+

Podemos ver que tanto na parte superior como inferior que as margens serão ainda mais reduzidas. Não temos ideia de quantos milímetros estamos a falar, porém, acredita-se que venham a ser das mais finas do mercado.

Ao contrário do iPhone, o Samsung Galaxy S11 continuará a ter um "queixo" maior do que a "testa". Ou seja, a Samsung continuará a não implementar a tecnologia que fabrica para os painéis da Apple, onde dobra o ecrã por dentro para reduzir as margens.

Estes protetores de ecrã não mostram qualquer ranhura ou corte na película para a câmara frontal. Porém, temos conhecimento de causa que os novos smartphones seguirão a ideologia dos antecessores.

Ou seja, teremos pequenos buracos no ecrã para a câmara frontal. Ao contrário dos S10, os novos S11 deverão ter este buraco no centro do ecrã tal como o Galaxy Note 10.

Samsung Galaxy S11 terá de surpreender

No ano passado a Samsung deu-nos 3 modelos para competir com os da Apple. O mesmo deverá acontecer este ano. Porém, acreditamos que a Samsung terá de dar um passo maior do que em 2019.

Ou seja, o iPhone 11 é mais capaz do que o antecessor Xr, isto signfica que um S11e pode não fazer sentido para combater o iPhone 11. Assim sendo, estamos curiosos para saber o que aí vem porque a estratégia da Samsung terá de ser diferente em 2020.

Editores 4gnews recomendam:

Comentar
Filipe Alves
Filipe Alves
Fundador do projeto 4gnews e desde cedo apaixonado pela tecnologia. A trabalhar na área desde 2009 com passagens pela MEO, Fnac e CarphoneWarehouse (UK). Foi aí que ganhou a experiência que necessitava para entender as necessidades tecnológicas dos utilizadores.