Google explica a remoção do jack 3.5mm nos Google Pixel 2 e Pixel 2 XL

Carlos Oliveira
Google Pixel 2
Google Pixel 2

Dois dias passaram-se já desde que os novos Google Pixel 2 e Pixel 2 XL foram oficialmente apresentados. A gigante da pesquisas está assim a dar os seus primeiros passos no mundo do hardware em nome próprio. Embora tenham estado presentes no mercado durante vários anos com os dispositivos Nexus, esses não eram, nem podiam, ser denominados como "Made by Google".

Com efeito, os equipamentos apresentados na passada quarta-feira são apenas a segunda iteração da aposta da Google no campo do hardware. Estes novos Pixel 2 e Pixel 2 XL são equipamentos bem construídos, todavia com um design que ainda levanta reações mistas entre a comunidade.

Vê ainda: Google Assistant para Android está cada vez melhor mas não para ti!

Algo que parece ser mais consensual em termos de reações são as derivadas da remoção do jack de 3.5mm destes equipamentos. Tal como o nosso Pedro Henrique já referiu no seu artigo opinativo acerca dos novos Pixel, a Google teve de "engolir um sapo" depois de ter removido esta entrada.

Eis a razão para a remoção do jack de 3.5mm dos Google Pixel 2

Contudo, a remoção desta entrada por parte das mais diversas empresas ainda não está muito bem fundamentada. Se bem se recordam, quando a Apple removeu o jack de 3.5mm dos seus iPhone 7 e iPhone 7 Plus, apenas a justificou como uma decisão corajosa. No que toca à Google, nem uma palavra, no decorrer da apresentação, relativamente a este aspeto. Mas tal já mudou.

Um alto representante da Google já veio a público justificar a decisão da empresa em remover o jack de 3.5mm dos Google Pixel 2 e Pixel 2 XL. Mario Queiroz, vice-presidente global de produtos da empresa, afirmou ao site TechCrunch que tal deve-se a uma estratégia de design. Estratégia essa que tem em vista a implementação de ecrãs de ponta-a-ponta.

"O principal motivo [para remover o jack] é estabelecer um caminho para o futuro em termos de design. Queremos que o ecrã se aproxime cada vez mais da borda. A nossa equipa disse: ´se vamos fazer a mudança, é melhor fazê-la já do que mais tarde.´ No ano passado poderia ter sido muito cedo. Agora, existem mais smartphones no mercado." - Mario Queiroz, à TechCrunch

Será esta justificação acolhida entre os consumidores?

Ao que parece, as empresas parecem acreditar que o jack de 3.5mm esteja a ocupar espaço em demasia nos seus produtos. Assim sendo, afim de produzir equipamentos com margens diminutas, há que aproveitar o espaço ao máximo para, ao mesmo tempo, oferecer aos consumidores equipamentos elegantes.

Com uma justificação deste género da parte da empresa de Mountain View, tal deixa a antever uma redução ainda maior nas margens dos seus smartphones para 2018. Principalmente se tivermos em conta que a Apple removeu esta entrada em 2016 e agora, em 2017, ficamos a conhecer um iPhone X com um ecrã de ponta-a-ponta.

Mas se me permites deitar uma acha para a fogueira, tomemos como exemplo o Samsung Galaxy S8. O mesmo possui já um ecrã com margens bem pequenas e continua a contar com a entrada para headphones.

No quesito da elegância do equipamento, a justificação dada acima também não colhe, pois este também é um equipamento bem elegante, sendo apenas 0.3mm mais grosso que os novos Pixel e que o iPhone X, ambos sem esta entrada.

Sei que existem os dois lados da moeda no que toca a este tema em particular. Existem os que são contra a remoção desta entrada e os que são a favor. E tu, de que lado da barricada te posicionas?

Outros assuntos relevantes:

Motorola tem uma carta na manga para a bateria dos smartphones

Mais um Samsung explode no bolso da camisa de um utilizador (vídeo)

Foes.io: o jogo que faz lembrar CS e que só necessita de um PC e Internet

Carlos Oliveira
Carlos Oliveira
Tendo já passado por várias casas, a 4gnews é aquela que me segura desde 2015. Com um desejo insaciável de me manter atualizado tecnologicamente, a partilha desse conhecimento é apenas o seguimento natural das coisas.