Samsung Galaxy Note 7
Samsung Galaxy Note 7

Assolado por vários casos de explosão e combustão espontânea da sua bateria, o Galaxy Note 7 foi rapidamente retirado do mercado antes que pudesse causar sérios danos a algum utilizador. Resta apenas saber quais são as causas de tamanha instabilidade na sua bateria.

Vê também: Asus já está a preparar os sucessores dos Zenfone 3

A Samsung vai revelar oficialmente as causas que levaram à recolha do Galaxy Note 7 na próxima semana mas, de acordo com um artigo do Wall Street Journal, estas são as principais causas que ditaram o fracasso deste produto.
A principal razão, a principal maleita do Galaxy Note 7 parece de facto ser o tamanho irregular da sua bateria, algo que levava o equipamento a aquecer em demasia. Contudo, esta não é a única razão. Várias unidades do Note 7 vinham equipadas com baterias defeituosas.

   

Quem produziu as baterias do Galaxy Note 7?

O Samsung Galaxy Note 7 foi anunciado no pico do verão de 2016 e chegou a alguns mercados em agosto. Lembro-me perfeitamente de o ver exposto em algumas lojas e o Filipe teve oportunidade de fazer o seu unboxing e primeiras impressões do smartphone, antes do pedido de recolha urgente.

As fabricantes das baterias foram duas, a Amperex Tecnology, uma empresa de Hong Kong que produz baterias na China. A outra foi a própria Samsung, ou melhor, uma das suas ramificações, a Samsung SDI, inicialmente considerada a principal culpada.

Galaxy Note 7
Adeus Note 7, a tua ausência será sentida.

As primeiras investigações apontavam as baterias produzidas pela Samsung SDI como principais culpadas no escândalo das explosões. Algo que levou à recolha expedita dos primeiros lotes do equipamento.

Infelizmente, à medida que começaram a surgir relatos de explosões de unidades de outros lotes, equipados com baterias fabricadas pela Amperex, tornou-se óbvio que o mal era generalizado. Segui-se então uma recolha global do Galaxy Note 7.

O relatório oficial da Samsung será publicado em breve, bem como uma ampla explicação do sucedido. Esperamos um desfecho para este azar que provocou a recolha de 2.5 milhões de unidades do Galaxy Note 7 e que custou à Samsung cerca de 5 mil milhões de dólares.

A empresa sul-coreana está bastante empenhada nesta investigação tendo contratado três peritagens independentes para apurar as causas do incidentes, para além de controlarem os padrões de qualidade nas suas linhas de produção.

Talvez queiras ver:

Bixby será capaz de usar a câmara do Galaxy S8 para pesquisa visual

Ainda compensa comprar smartphones premium em 2017?

Huawei P10: o primeiro olhar ao próximo “Flagship”