Pixel 6 Pro é oficial: o smartphone mais Google de sempre

Bruno Coelho
Comentar

“O smartphone mais Google de sempre” - é assim que a tecnológica de Mountain View se refere à linha de smartphones apresentada esta terça-feira. Os Pixel 6 e Pixel 6 Pro foram finalmente apresentados, e neste artigo conto-te tudo sobre o equipamento mais poderoso - o Pixel 6 Pro.

Comecemos pelo exterior, onde temos frontalmente um ecrã AMOLED de 6,7” polegadas com resolução de 1440 por 3120 pixeis. Graças à tecnologia LTPO, tem uma taxa de atualização variável entre 10 e 120Hz.

Este é o Google Pixel 6 Pro
Este é o Google Pixel 6 Pro

Este é um painel curvo nas laterais, mas protegido pelo melhor que a indústria tem para oferecer. Conta com proteção Gorilla Glass Victus, que se verifica também na zona traseira do terminal.

Google Pixel 6 Pro tem três câmaras traseiras que prometem surpreender

Aí é onde encontramos também a sua linha distintiva de câmaras. Esta é composta por um sensor principal de 50MP à esquerda, uma ultrawide de 12MP ao centro, e uma lente telefoto de 48MP à direita, com acesso a zoom ótico de 4X (e digital de 20X). Todas as câmaras têm estabilização ótica e eletrónica de imagem.

Pixel, meet megapixel. Zoom in or go Ultra Wide. Make it yours, every time. Introducing our most advanced camera ever on #Pixel6 and Pixel 6 Pro.*#Pixel6Launch pic.twitter.com/9dOVbl6hHI

— Made By Google (@madebygoogle) 19 de outubro de 2021

No que concerne às câmaras, o sensor principal promete capturar 150% mais luz do que antes. Terás também várias funcionalidades na câmara, como o “Magic Eraser”, que te permite apagar objetos/pessoas indesejados de uma imagem.

No que diz respeito a vídeo, podes contar com gravação até 4K a 60 quadros por segundo na câmara traseira, ou 4K a 30 quadros por segundo no sensor frontal. Conta ainda com HDR+ para melhores cores nos teus vídeos.

pixel

Processador Tensor é a grande aposta da Google

O processador Tensor é uma das grandes novidades (talvez a maior), mas é para já uma incógnita no que diz respeito a desempenho. A Google refere que este providencia mais 80% de desempenho face ao Snapdragon 765G, mas teremos de esperar por testes para fazer comparações. Ao seu lado estão 12 GB de RAM LPDDR5 e 128, 256 ou 512 GB de armazenamento UFS 3.1.

#Pixel6 and Pixel 6 Pro, powered by Google Tensor, are the smartest and fastest phones we’ve ever made.*Here’s how much faster they are. ⬇️#Pixel6Launch pic.twitter.com/6g9yvI89IX

— Made By Google (@madebygoogle) 19 de outubro de 2021

Ao nível da bateria, a Google parece ter finalmente aberto os olhos. Conta com 5003mAh de capacidade, e 30W de carregamento via USB-C. Não é o mais rápido do mercado, mas a Google promete até 50% de sumo em 30 minutos. Carrega ainda a 23W sem fios com a Pixel Stand ou 12W com um carregador sem fios de terceiros. Tem também carregamento inverso.

Como não poderia deixa de ser, tem altifalantes estéreo, Bluetooth 5.2, Wi-Fi 6E e NFC. O sensor de impressões digitais está colocado no ecrã, e os botões de ligar/desligar e de volume encontram-se na margem direita.

Google Pixel 6 Pro terá 5 anos de atualizações de segurança

Conta com Android 12 de fábrica, e mais importante que isso a Google promete cinco anos de atualizações de segurança. O que não significa que terá direito a cinco grandes atualizações, mas é bom saber que a segurança estará garantida.

#Pixel6 and Pixel 6 Pro - the most secure Pixel phones ever. #Pixel6Launch pic.twitter.com/0ichDlPipy

— Made By Google (@madebygoogle) 19 de outubro de 2021

Será vendido em preto, branco e dourado, mas infelizmente apenas em oito países onde Portugal não está incluído. Alemanha, Austrália, Canadá, França, Japão, Reino Unido Taiwan e (obviamente) os Estados Unidos são os países contemplados. Chega à Europa por 899 €. Sabe tudo sobre o Pixel 6 neste artigo.

Editores 4gnews recomendam:

Bruno Coelho
Bruno Coelho
Vive entre a paixão pela escrita, a música e a tecnologia. Licenciou-se em Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior em 2015, e fez parte da equipa que fundou o Jornal de Belmonte. Produziu vários podcasts independentes pelo caminho. Come especificações ao pequeno-almoço.