Patente da Samsung explica o funcionamento do leitor de retina a incluir no Galaxy Note 7

Carlos Oliveira

Nos últimos tempos muito temos falado acerca do próximo Samsung Galaxy Note 7. Aliás, os últimos dois dias têm sido repletos de informações relativas às especificações do mesmo, fazendo com que já não existam muitos segredos nesse campo.

Vê também: Especificações do Galaxy Note 7 novamente confirmadas

Uma das novas funcionalidade que se tem falado como inclusa do próximo Galaxy Note 7 é a introdução de um leitor de retina, a par do habitual sensor de impressão digital. Mas as notícias têm se ficado por aqui, ficando a forma como o mesmo funcionará ainda envolta em alguma dúvida. Porém uma patente da Samsung, que vem hoje a público, ajuda-nos a perceber como irá funcionar este novo sensor no Galaxy Note 7.

Este novo sistema de autenticação irá incluir um total de três lentes, sendo que cada uma delas terá a sua própria tarefa para que a autenticação seja o mais apurada possível. Com efeito, duas delas serão responsáveis pela leitura do teu olho, ao passo que a terceira, que terá um alcance mais ampliado, será capaz de captar toda a tua cara.

No final de todo este processo, caso o sensor em causa não seja capaz de encontrar uma correspondência válida, uma mensagem de erro audível será transmitida ao utilizador através da coluna do Galaxy Note 7.

Como podes ver, este novo leitor de retina da Samsung não ficará limitado apenas à leitura apenas do teu olho, como introduzirá a tua cara na mesma equação. Acredito que nos primeiros tempos possa vir a ser um pouco complicado para te habituares a este novo tipo de autenticação, mas depois de o conseguires certamente não quererás outra coisa.

Talvez queiras ver:

  • Poderá a Google fazer do Android um sistema mais restrito?
  • Smartphone da Google está em desenvolvimento e pode vir a ser uma realidade
  • O Snapchat pode chegar ao Windows 10 Mobile, mas calma
Carlos Oliveira
Carlos Oliveira
Tendo já passado por várias casas, a 4gnews é aquela que me segura desde 2015. Com um desejo insaciável de me manter atualizado tecnologicamente, a partilha desse conhecimento é apenas o seguimento natural das coisas.