Samsung Galaxy S8 Note 8
Samsung Galaxy Note 8

2017 foi um ano magnífico para a Samsung. Desde o lançamento dos Galaxy S8 e Galaxy S8+, passando pelo momento de apresentação do Note 8 e restantes equipamentos Android da empresa, o que é certo é os problemas pareceram zero e os elogios muitos.

Ao contrário do que aconteceu no ano anterior, e ainda bem, não houve lugar para equipamentos explosivos. Também não houve espaço para um flagship com um ecrã comum, mas também não parece que alguém tenha sentido falta disso.

Vê ainda: OnePlus 5T está a receber a OxygenOS 4.7.4, nada de Android Oreo

   

Pode dizer-se que foi um ano pacífico, sem dúvida. Contudo, o facto de ter sido pacífico não implica que tenha sido perfeito, e é nisso que a Samsung se deverá focar no ano que se avizinha.

Os Galaxy S8 foram, para muitos, os melhores equipamentos do ano. Mais, pode dizer-se até o Galaxy S8 – com um ecrã de 5,8 polegadas – é absolutamente fantástico, na medida em que não aparenta nada ter esse tamanho.

Com efeito, ainda que irreverente, a Samsung jogou pelo seguro, passe a expressão. Por um lado, apostou em ecrãs Infinity Display que mantinham a qualidade dos anteriores, mas que se revelaram mais futuristas, bem mais. Por outro lado, desde o começo que o Qualcomm Snapdragon 835 foi a escolha dos dois terminais, bem como do Note, pelo que também não houve grandes margens para contestação.

A Samsung teve um ano para recordar com os Galaxy S8 e Note 8…

Do mesmo modo, a Samsung Experience é, de todo, totalmente diferente da antiga TouchWiz, mais leve e elegante e, em grande parte, consegue influenciar o desempenho dos terminais que não se denigre ao fim de alguns meses, como acontecia outrora.

Um outro aspeto que revela a maturidade da Samsung em 2017 é o facto de ter mantido, nos equipamentos apresentados em abril, as mesmas câmaras traseiras do modelo anterior e por só ter apostado numa câmara-dupla para o Note 8.

Até o headphone jack ficou, enquanto que a Apple e a Google, por exemplo, já os retiraram dos seus dispositivos. Só aspetos positivos, até agora é claro. Isto porque, como é certo e sabido, há aspetos que poderiam ter sido melhor pensados para os ditos Galaxy.

Um deles, como não poderia deixar de ser, tem que ver com a segurança dos Samsung Galaxy S8, S8+ e Note 8. Não são seguros? São, definitivamente. No entanto, até que ponto é que essa segurança é prática? Dificilmente.

Talvez o S8 passe ao lado deste tópico, mas os dois outros não – na maioria dos casos. O leitor de impressões digitais está num sítio que não faz sentido, o sensor de íris é um pouco difícil de usar e o sensor facial não é tão seguro quanto possível.

O restante esteve ok, mais do que bem. A linha A está cada vez mais interessante e os terminais mais completos e inovadores, a linha J também e, acima de tudo, seja S, A ou J, o que se nota é uma homogeneização maior entre todos eles, o que só beneficia a Samsung e, posteriormente, o consumidor.

Assim, de 2018 só poderei esperar o melhor, onde o único desejo é que a Bixby possa desaparecer. A ânsia de ver os S9 é enorme, bem como os restantes equipamentos. Esses, nomeadamente, serão muito aguardados devido às câmaras, ecrã e método de desbloqueio.

2017 foi bom, mas 2018 será ainda melhor para os sucessores dos Samsung Galaxy S8 e Note 8!

E claro, a empresa sul-coreana não falhará em dar ao público aquilo que mais quer. A receita está lá, e o resultado é quase perfeito. Afinal, esta caminhada começou em 2015 com os S6 e, para o ano, serão já quatro anos em que a gigante da tecnologia estará a trabalhar num conceito bem sucedido, tanto tempo depois.

Não será fácil fazer melhor, mas a Samsung não desiludirá.

De resto, fica atento(a) às notícias aqui. Em 4gnews.pt. Para que não percas nenhum detalhe acerca deste e de outros temas num mundo onde a tecnologia é falada em português. Isto porque, mais do que precisares e escolheres, vais querer 4gnews.

Assuntos relevantes na 4gnews:

Xiaomi teve um crescimento de 102% em apenas um ano

ASUS Zenfone 4 Max recebe oficialmente a ZenUI 4.0

Android Oreo começa a chegar aos dispositivos Android Wear

Desde cedo comecei a interessar-me pelo que podia fazer no computador. Porém, a grande paixão surgiu com o primeiro telemóvel e complementou-se com os smartphones. Nada há a dizer, são simplesmente fantásticos e úteis em todo o tipo de situações.