Pagamentos no WhatsApp não correm como o esperado no Brasil

Filipe Alves
Comentar

O WhatsApp lançou recentemente uma nova atualização que dá a oportunidade aos utilizadores de fazerem pagamentos de forma simples e rápida.

Um dos primeiros países a ter esta nova funcionalidade foi o Brasil. Um mercado com mais de 200 milhões de pessoas e um dos países que mais utiliza o WhatsApp como forma de comunicação.

Banco Central do Brasil proibiu os pagamentos pelo WhatsApp

WhatsApp pagamentos Brasil

Ainda não sabemos quais foram as motivações para a decisão do Banco Central do Brasil para proibir os pagamentos via WhatsApp, sabemos apenas que a aplicação deixou de conseguir oferecer a nova funcionalidade aos seus utilizadores.

Aliás, o Banco Central chegou mesmo a enviar um comunicado à VISA e Mastercard para suspender os pagamentos de forma imediata ou então teriam de enfrentar penalizações.

Em comunicado à Bloomberg, o Facebook (dono do WhastApp) referiu que o "Nosso objetivo é fornecer pagamentos digitais a todos os utilizadores do WhatsApp no Brasil usando um modelo aberto e continuaremos a trabalhar com parceiros locais e o Banco Central para tornar isso possível.

Além disso, apoiamos o projeto PIX (sistema de pagamento instantâneo proposto no Brasil) do Banco Central sobre pagamentos digitais e em conjunto com os nossos parceiros, estamos comprometidos em trabalhar com o Banco Central para integrar os nossos sistemas quando o PIX estiver disponível".

Em suma, os utilizadores do WhatsApp do Brasil tiveram uma pequena amostra da funcionalidade, porém, neste momento nada podem fazer até que ambas as partes se entendam.

Os pagamentos via Web são cada vez mais recorrentes e o WhatsApp parece-me a ferramenta perfeita para tal. Esperemos apenas que este entrave não atrase o lançamento mundial da funcionalidade.

Editores 4gnews recomendam:

Filipe Alves
Filipe Alves
Fundador do projeto 4gnews e desde cedo apaixonado pela tecnologia. A trabalhar na área desde 2009 com passagens pela MEO, Fnac e CarphoneWarehouse (UK). Foi aí que ganhou a experiência que necessitava para entender as necessidades tecnológicas dos utilizadores.