OPPO: marca chinesa quer substituir a Huawei na Europa já em 2020

Rui Bacelar
Comentar

A Huawei está a passar por uma das suas piores fases e não há sinais de melhoria no horizonte. Perante este status quo, a OPPO estará a preparar-se para ocupar esse lugar de destaque no mercado mobile na Europa e não só.

A OPPO é uma das maiores fabricantes chinesas e conta atingir 100 milhões de smartphones vendidos durante o segundo semestre de 2020, para tal, a tecnológica já está a pôr em marcha uma série de medidas. O objetivo é claro e ambicioso.

A crescente fragilidade da Huawei na Europa

Relatório da Counterpoint relativo à Europa
Dados da Counterpoint relativos ao mercado mobile europeu.

De acordo com os mais recentes dados da agência Counterpoint, a quebra de vendas da Huawei na Europa é notória e significativa, com a sua quota de mercado a cair de 23% para 16% nos primeiros trimestres de 2019 e 2020, respetivamente.

Visando ocupar a posição de destaque da Huawei na Europa, atualmente a terceira maior fabricante, ao passo que a OPPO detém uns meros 3% deste lucrativo mercado. No entanto, já não faltará muito até que se esgotem os processador Kirin.

A crescente escassez de processadores está longe de ser o único obstáculo nos desígnios da Huawei na Europa, ou mais concretamente, fora da China. Algo que não passou despercebido às empresas rivais, incluindo a conterrânea OPPO.

Pete Lau, CEO da OnePlus, pode guiar os esforços da OPPO na Europa

Pete Lau CEO da OnePlus
Pete Lau, CEO da OnePlus durante uma apresentação da marca.

Avança um novo relatório da China Starmarket que a OPPO está a redobrar a produção de telemóveis e a preparar-se para substituir a Huawei na Europa. Mais concretamente, a fabricante estima vender entre 85 a 100 milhões de telemóveis no 2.º semestre.

Colocando estas métricas em perspetiva, as vendas conjuntas no terceiro e quarto trimestre de 2019 foram de 63,7 milhões (dados da Counterpoint). Posto isto, estaríamos perante um aumento de 33% no volume de vendas da OPPO na Europa.

Pete Lau, CEO da OnePlus, ocupa também o cargo de vice-presidente sénior na BBK Eletronics, "casa-mãe" da OPPO, OnePlus, Realme e Vivo. É apontado como figura chave na expansão da OPPO na Europa e demais mercados onde a Huawei está restringida.

A OPPO pode ser a nova Huawei não só na Europa

Apesar de o novo relatório apontar o objetivo da OPPO em roubar para si o lugar até então ocupado pela Huawei, as restrições aplicados pelos Estados Unidos da América à gigante de Ren Zhengfei fazem-se sentir em vários mercados.

Posto isto, caso a estratégia da OPPO surta os efeitos pretendidos neste segundo semestre de 2020, pode ser aplicada a outros mercados em que a Huawei tem uma posição de destaque e, por outro lado, se encontre igualmente restringida.

Entretanto, a Xiaomi continua a crescer gradual, mas consistentemente, provando ser uma concorrente igualmente meritória à atual posição de dominância da Huawei.

Editores 4gnews recomendam:

Rui Bacelar
Rui Bacelar
Na escrita e comunicação repousa o gosto, nas leis a formação. É na tecnologia que encontrou o seu expoente máximo e na 4gnews a plataforma ideal para a redação e produção de vídeo.