mkbhd oneplus 2

A OnePlus ficou rotulada como uma empresa que produz equipamentos flagship killers, quando lançou o seu surpreendente OnePlus One. A relação qualidade/preço que a empresa #chinaaopoder introduziu foi algo completamente inesperado na altura e desde então que tem seguido o mesmo caminho.

Em meados de 2015 este paradigma foi continuado com o lançamento de OnePlus 2, que mesmo continuando a oferecer uma excelente relação qualidade/preço, suscitou alguma desilusão no campo do design exterior do equipamento.

   

Cinco meses depois de ter sido colocado à venda em versões com 16GB ou 64GB de memória interna, a OnePlus tomou uma decisão que pode espantar muitos, mas que a mim não me surpreendeu assim tanto. A marca anunciou oficialmente que a versão com 16GB de armazenamento do OnePlus 2 deixará de ser comercializada na Europa e EUA.

Vê também: A OnePlus pergunta: quais são as duas coisas sem as quais não consegues viver?

Já há bastante tempo que a versão em causa estava listada na página oficial do equipamento como esgotada, daí uma minha falta de espanto para com esta decisão. Desde que me apercebi da demora da OnePlus em recolocar esta versão à venda, que levei esta decisão como que uma forma de forçar os compradores a optarem pela versão mais cara, mesmo que sendo ela notoriamente compensatória.

No entanto a OnePlus justifica esta decisão dizendo que a versão de 16GB tinha pouca popularidade nos mercados em questão. Não sendo o OnePlus 2 um equipamento com suporte para microSD, até acredito que a maioria das pessoas optassem pela versão com mais armazenamento, além de um 1GB extra de RAM, por uma diferença de apenas 60€.

Para rematar, a OnePlus diz ainda que o OnePlus 2, com 16GB de memória interna, continuará a ser comercializado em mercados emergentes como o Indiano. Mas não posso deixar de me interrogar se no futuro não irá a OnePlus tomar uma decisão semelhante nesses mercados? Só o futuro nos dirá, mas sente-te à vontade para partilhares as tuas previsões.

Talvez queiras ver:

Fontetechradar
O gosto por tecnologia foi algo que esteve sempre dentro de mim. Com o crescer do mercado dos smartphones, também o meu entusiasmo com os mesmos aumentou. Já nos tempos livres, as séries são o meu principal mata-tempo.