Novo estudo prevê um futuro pouco risonho para as vendas de tablets

Carlos Oliveira
Comentar

A Digitimes Research realizou recentemente um estudo que incide sobre o futuro dos tablets em todo o mundo. Sem grande surpresa, esta concluiu que os próximos anos serão "negros" para estes dispositivos.

No 2024, a Digitimes Research prevê que as vendas de tablets caiam para as 120 milhões de unidades. Até lá, a responsável por este estudo acredita que os números caiam entre 2% a 3% ao ano.

Infelizmente, a empresa não divulga qual a sua previsão para 2019. Simplesmente refere que as vendas irão cair drasticamente comparado com o que se registou em 2018, e importa notar que o ano passado já não foi muito animador para este mercado.

tablet

O mercado dos tablets está em queda há vários meses

Encontramo-nos já no último trimestre de 2019 e os números, até agora, não têm sido positivos. Embora ainda não se conheçam os dados referentes ao período entre julho e setembro, os dois trimestres anteriores foram ao vermelho.

Entre janeiro e março deste ano, o mercado mundial de tablets caiu 9% face ao período homólogo de 2018. Nos três meses seguintes, registou-se uma queda de 5% em comparação com o mesmo período do ano passado.

Apesar destes números negativos, a Apple, Samsung e Huawei têm assegurado o top-3 nas vendas de tablets em todo o mundo. A Apple destaca-se da concorrência com os seus iPads, ao passo que as propostas das restantes duas são menos impactantes no mercado.

Olhando em específico para a Apple, a Digitimes Research prevê que a norte-americana seja mais comedida na apresentação de novos modelos nos próximos tempos.

Microsoft irá desafiar a tendência do mercado

Apesar de todos os sinais negativos, a Digitimes destaca, pela positiva, a Microsoft. A empresa de Redmond deverá aumentar exponencialmente as suas vendas neste e nos próximos anos. Cenário que ajudará a Microsoft a desafiar o quinto posto detido pela Lenovo.

Editores 4gnews recomendam:

Comentar
Carlos Oliveira
Carlos Oliveira
Tendo já passado por várias casas, a 4gnews é aquela que me segura desde 2015. Com um desejo insaciável de me manter atualizado tecnologicamente, a partilha desse conhecimento é apenas o seguimento natural das coisas.