fonte: depositphotos
fonte: depositphotos

Quão poderosa será a nostalgia, quanto impacto terá o regresso de um velho amigo às lojas e montras de todo o mundo. Será que o nome NOKIA ainda despertará a vontade de investir, de comprar, de ter um NOKIA no bolso. Agora que podemos afirmar que em 2017 a marca finlandesa lançará novos smartphones, resta saber se ainda têm lugar neste mercado tão competitivo e claramente dominado pela Apple, Samsung e Huawei.

Vê também: Nokia D1C será um equipamento de gama média com duas variantes

Comecemos por fazer um ponto de situação. O nome NOKIA voltará em 2017 sob o comando da HMD Global, a empresa finlandesa que comprou os direitos de utilização da marca à Microsoft e deverá lançar vários telemóveis, aqueles equipamentos simples que imediatamente associamos à NOKIA. Isto servirá para reavivar a chama nos nossos corações e para nos preparar para os smartphones a sério e diga-se de passagem, a NOKIA necessitará de todo o amor e carinho que outrora teve, isto se quer voltar a ser uma marca relevante no mercado mobile.
A "nova" NOKIA será liderada pelo senhor Arto Numella, um autêntico veterano da marca finlandesa, tendo-se juntado às fileiras da NOKIA no ano de 1994. Terá a nobre tarefa de trazer este mito de volta à realidade e ao mercado dos dispositivos móveis.

   

Por esta altura já não é segredo nenhum que os próximos smartphones da NOKIA utilizarão o sistema operativo Android mas, até agora não sabíamos o quão pesada (ou leve) seria a sua abordagem ao sistema operativo da Google. Em suma, não sabíamos o quão personalizada seria a sua interface (UI), veja-se o exemplo da Samsung e a sua interface TouchWiz, bem personalizada, ou da Huawei com a sua EMUI. No outro lado da balança temos a HTC com a sua Sense e a Motorola, ambas com uma abordagem muito leve ao Android puro.
Se és um ávido defensor do Android puro, ou preferes uma UI bastante limpa e, se possível, próxima do Android tal como ele é concebido pela Google, então tenho boas notícias para ti. Segundo as declarações do senhor Numella à Reuters (fonte), a HMD terá celebrado uma parceria diretamente com a Google e, apesar de os detalhes e extensão desta colaboração ainda não serem conhecidos, espera-se que os próximos smartphones da NOKIA tenham uma interface (UI) muito próxima do estado mais puro do sistema operativo Android.

Espero que os próximos topos de gama da NOKIA tragam uma skin muito ligeira do Android, sem aplicações desnecessárias e que ficam ali a pesar no smartphone (o típico bloatware) e se a Google estiver mesmo envolvida no software destes equipamentos o cenário torna-se cada vez mais atrativo e começo a ficar bastante ansioso para que estes smartphones sejam efetivamente apresentados, algo que acontecerá no dia 27 de fevereiro de 2017!

nokia-stock-android

Por sua vez, a Bloomberg (via) acrescenta umas informações bem interessantes sobre o regresso da NOKIA:

"Seremos extremamente fieis e verdadeiros para com a marca NOKIA", declarações do senhor Nummela à Bloomberg. " A marca NOKIA é conhecida pela sua simplicidade, facilidade de uso, durabilidade e qualidade. Estes são os elementos sobre os quais construiremos os novos equipamentos, com um design industrial".

Espero sinceramente que as palavras do novo dirigente da HMD e consequentemente dos destinos da NOKIA estejam certas. Equipamentos praticamente stock Android ou pelo menos sem bloatware e que façam justiça ao nome e peso que a marca transporta. Bem sabemos que os telemóveis NOKIA eram famosos pela durabilidade, pela bateria e, mais tarde, pela qualidade das suas câmaras fotográficas.

Na vossa opinião qual era o ponto (característica) mais forte dos telemóveis NOKIA?

Talvez queiras ver:

Moto Mods poderão trazer 5G ao Moto Z

A Samsung poderá ser a fornecedora dos painéis OLED do iPhone 8

Misterioso Honor 6S cai em leak e revela todo o seu design

Viabloomberg
Fontereuters
Quando não está a escrever um artigo ou a gravar algum vídeo, o Bacelar tem por hábito saborear um bom livro, descobrir novas bandas sonoras ou simplesmente desfrutar do sol, na companhia de quem mais gosta (MM).