Nokia 5233 HMD Global
A HMD Global colocou-se à parte do incidente, já que o terminal não foi construído pela empresa.

O incidente ocorreu na Índia. Uma adolescente encontrava-se a usar o seu Nokia 5233 quando este explodiu. Uma Oram estava a realizar uma chamada aquando da explosão e os relatórios sobre o caso dizem que este se encontrava ligado à corrente.

A explosão resultou em lesões na mão, peito, perna da adolescente e fez com que a esta “apagasse”. Foi levada para o hospital e aí morreu, segundo o Metro.

Vê ainda: Huawei P20 Lite já é oficial na China, chama-se Huawei Nova 3e

A HMD Global, atual detentora da marca Nokia no ramo dos smartphones, já se colocou à parte do incidente. A empresa alega que o terminal não foi construído sob a sua alçada, já que estamos a falar de um terminal lançado em janeiro de 2010.

O Nokia 5233 foi lançado em janeiro de 2010

“Podemos confirmar que o telemóvel em questão não foi construído nem é vendido pela HMD Global. A nova casa dos smartphones Nokia, construída em 2017, trata-se de uma nova era de dispositivos Nokia”, foi dito por um representante da Nokia.

Oficialmente a HMD Global ainda disse que está “comprometida em produzir dispositivos de alta qualidade que entregam a melhor experiência ao utilizador e vão ao encontro das suas expectativas”.

No entanto, o mesmo dispositivo pode ser encontrado à venda em sites como a Amazon Índia, com a marca Nokia. Embora com 8 anos de idade, este dispositivo continua à venda.

 

Se a HMD Global não assume qualquer responsabilidade neste caso, tendo em conta que o smartphone ainda se encontra à venda, quem é o responsável pelo suporte ao cliente? Uma pergunta que fica por responder.

Outros assuntos relevantes:

HTC Desire 12 e 12+ já são oficiais! Sabe tudo sobre os novos Android

Xiaomi Redmi Note 5 esgota em minutos no primeiro dia de vendas

Um olhar detalhado: A rivalidade Laptop-Desktop no mundo Gaming

Mais na 4GNEWS

Viagizmochina
Fontenews18
Bebe das canções de Manel Cruz, das idiossincrasias de Bruno Aleixo e dos planos de Quentin Tarantino. A escrita está-lhe no sangue, e o amor à tecnologia é uma boa desculpa para o mostrar a quem queira ler.