Nokia 2Foi noticiado, aqui na 4gnews, que a Nokia lançaria mais quatro smartphones este ano. Desta forma, confirmava-se a agenda da HMD, já publicada no final do ano passado, que dizia que pelo menos seis, de um máximo de sete, smartphones seriam lançados.

Ora, um deles é o Nokia 2. E digo, como disse no título, que só uma empresa como a Nokia seria capaz de se aventurar no desenvolvimento, na construção e conceção de um terminal desse tipo, em pleno 2017. Contudo, antes de começarmos toda uma especulação, façamos um pequeno jogo de memória.

Vê também: Bq Aquaris X Pro Review | O melhor da Bq até ao momento!

   

Já numa fase muito precária, ainda pertencente ao universo Windows, a Nokia aventura-se no lançamento de terminais que acabaram por receber o nome da empresa de Redmond. O Microsoft Lumia 435, por exemplo, é um equipamento cujas especificações – para a época em que nos encontrávamos – era medíocre. Por essa, e outras variadíssimas razões, não singrou e pouco ou nada ouvimos falar dele hoje.

Então, um terminal como um Nokia 2 – que será obviamente mais precário que o 3 e por isso terá ainda piores especificações – não terá qualquer sucesso no mercado? Falso. Porquê? Porque o smartphone é Nokia! E, para o bem ou para o mal, para o melhor ou o pior, o nome da empresa finlandesa está algures integrado no dispositivo, à frente e atrás, pronto para ser visto por qualquer pessoa que passe numa loja e o veja.

É claro que, tenderá a ser um autêntico insulto às restantes empresas – que se encontram no comércio online – que constroem bons smartphones, muito mais capazes do que o 2 e que, mesmo assim, apresentam um preço semelhante. No entanto, este terminal não é, de todo, um produto que a HMD pensou em colocar na Internet para que todos comprem.

O Nokia 2 deverá ser apresentado em setembro com mais dois smartphones!

O Nokia 2 é aquele smartphone que uma criança terá como primeiro. Um idoso terá como primeiro. Alguém que queira um smartphone barato escolherá. E será essa a escolha óbvia porquê? Porque embora haja mais smartphones no mercado do que aqueles que gostaríamos, poucos ou nenhuns vemos numa faixa de preço inferior aos 100€ – uma vez que para esses valores mais vale mandar vir de um site à escolha de cada um.

Consequentemente, o terminal vem ocupar um espaço na mesma prateleira dos terminais mais baratos das operadoras – feios e pouco chamativos – e, com meia dúzia de pontos, ainda se poderá tornar mais barato e apetecível. E porque não comprar um terminal barato, para um uso bastante básico, mas que carrega em si o nome que outrora reinou o mercado mobile?

Pois, até eu não me importava de ter um Nokia 2, caso a escolha fosse entre isso e nada. Assim, ainda que possa parecer um tiro no pé e, para os mais entusiastas, como eu, a haver uma outra linha de novos terminais Android, que fosse a dos Nokia 10 – na possibilidade de termos uma espécie de 1020, por exemplo –, não foi essa a perceção da empresa finlandesa e, se calhar, ainda bem.

Só as vendas o dirão. Lá para o final do ano, quando os modelos 3, 5 e 6 já estiverem a completar seis meses postos nas prateleiras das lojas em todo mundo, e forem publicados os dados relativos ao número de dispositivos ativos tendo em consideração o seu modelo, talvez vejamos que os dois primeiros venderam mais que o último. Não é que o 6 seja mau, não, mas, tal como aconteceu na era Windows Phone, serão os modelos mais baratos a obter o maior sucesso no que toca ao número de vendas.

Nokia 2, 7 e 9 será o trio de smartphones que fechará o ano da empresa finlandesa…

Pelo menos para já. Até lá, ainda veremos, no final do corrente mês, o lançamento do Nokia 8 e, no início de setembro, as apresentações – teoricamente – dos outros três, o 2, o 7 e o 9. Este último sim, para os mais entusiastas, será aquele que se quererá ver, sentir e se possível comprar. Esperemos que não desiluda perante uma concorrência tão pesada neste ano de 2017.

Outros assuntos relevantes:

Samsung Galaxy Note 8 é visto mais uma vez antes da apresentação

Essential Phone: já não falta muito para sair para as prateleiras

Facebook está a trabalhar em gadgets com a ideia da Google “Project Ara”