Netflix: 8 filmes de animé que te vão deixar agarrado ao ecrã

Bruno Coelho
Comentar

A Netflix é um dos serviços de streaming que mais aposta no animé. Esta foi mais vincada ainda com aposta nos direitos de vários clássicos dos estúdios Ghibli, muitos deles com o cunho do lendário realizador Hayao Miyazaki. Hoje trazemos-te oito belas opções disponíveis na Netflix se queres explorar o género.

A Viagem de Chihiro

É um dos maiores clássicos dos estúdios Ghibli. Uma bruxa malvada, pais transformados em porcos e uma cidade fantasma. A menina com o nome roubado? É a heroína.

O Meu Vizinho Totoro

Durante um verão passado em pleno Japão rural com o seu pai, duas irmãs tornam-se amigas de criaturas místicas que vivem numa floresta.

O Castelo Andante

A adolescente Sophie trabalha na loja do seu falecido pai. Mas as coisas ficam realmente interessantes quando ela é transformada numa mulher idosa.

A Princesa Mononoke

Um príncipe infetado com uma maldição mortal parte para encontrar uma batalha e novos territórios no meio de uma batalha entre mineiros e os animais da floresta.

Ponyo à Beira-mar

Um garoto de 5 anos chamado Sosuke fica amigo de uma princesa peixinho-dourado chamada Ponyo, que quer desesperadamente virar humana.

Kiki: A aprendiz de Feiticeira

Nesta aventura de animação, uma jovem bruxa deixa a sua família para continuar a sua formação, mas descobre que não é fácil fazer novos amigos.

O conto da Princesa Kaguya

Ela é uma criatura da magia, beleza e luz. E os que estão obcecados com o poder têm de se apoderar dela.

Akira

Neste filme de animação baseado na série manga, dois amigos de infância são levados ao submundo de Neo-Tóquio e forçados a lutar pela sua sobrevivência.

Editores 4gnews recomendam:

  • Netflix: Parte 2 de Lupin já tem data de estreia e trailer (e há uma surpresa)
  • Quanto demora ver uma série na Netflix, Amazon Prime Video ou HBO? Este site diz
  • Netflix: 5 novos filmes e séries para ver este fim de semana
Bruno Coelho
Bruno Coelho
Vive entre a paixão pela escrita, a música e a tecnologia. Licenciou-se em Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior em 2015, e fez parte da equipa que fundou o Jornal de Belmonte. Produziu vários podcasts independentes pelo caminho. Come especificações ao pequeno-almoço.