Mentalizem-se que nem sempre Android é a melhor opção

Filipe Alves

Os sistemas operativos já são alguns, no entanto, aqueles que mais estão a marcar força no mercado são 3. Sendo eles BlackBerry OS a vir em 4ºlugar. O pódio está traçado, mas acredito que não seja por muito tempo.

A chegada do Ubuntu OS, do Sailfish e do Firefox OS são promessas interessantes que podem desestabilizar o mercado num futuro próximo.

Eu sou um utilizador Android e maioritariamente o meu interesse reza em equipamentos com este Sistema Operativo, isto porque oferecem mais variedade e especificações que procuro num smartphone.

Mas até que ponto Android é sempre a melhor opção?

Android apareceu em 2007 e veio revolucionar um pouco as coisas, com um OpenSource a Google acabou por criar uma plataforma livre e sem limites. As atualizações ao SO Android vieram fundamentar ainda mais a sua compra. Os smartphones ficaram mais fluidos, com maior qualidade e com a competição a aumentar os fabricantes ficaram obrigados a lançar modelos cada vez mais poderosos. Hoje temos smartphones mais potentes que o meu primeiro PC.

Quando olho para mim e para as minhas “exigências”, sei aquilo que tenho que comprar. Preciso de um equipamento fluido, com capacidades acima da média, com uma boa memória RAM e com um processador topo de linha. A câmara para mim não é importante e a memória também não me faz diferença, desde que o mínimo seja 16GB. Isto porque, aquilo que eu utilizo levou-me a necessitar deste padrão. Agora para ti ou para outra pessoa, as razões e exigências podem ser completamente diferentes.

Lembro-me de trabalhar em lojas de retail como Fnac e TMN e as pessoas perguntavam-me qual o melhor smartphone. Eu respondia na minha opinião o melhor smartphone para mim seria o Nexus S (Isto já lá vão uns anos) mas que dependeria daquilo que precisaria num equipamento.

Hoje em dia as coisas são diferentes. A Apple e Microsoft têm plataformas com qualidades diferentes que devemos ponderar a compra, porque nem sempre android é a melhor opção.

Quando procuramos um Sistema Operativo Simples, prático, intuitivo e rápido a um preço baixo, a melhor coisa é fugir de android. Android não fornece tal coisa salvo raras excepções.

Android, por muito que seja bom, é um SO pesado que exige muito dos smartphones, por isso vemos androids no mínimo com 1GB de RAM e WindowPhone com 512Mbs a fazer o que eles fazem mas melhor.

Para equipamentos de gama baixa ou gama média o SO Android.

Já para pessoas que podem gastar um pouco mais e é o primeiro smartphone ou simplesmente querem um smartphone para Facebook, Candy Crush e Whatsapp o Sistema Operativo da Apple, temos de saber ver as coisas da forma correcta, a Apple oferece um Sistema Operativo simples, eficaz e sem complicações, concluí com um smartphone com design excelente e construção formidável. Mais ainda, se já tiverem num ecossistema Apple só vejo razões para preferirem o SO da Maçã do que outro qualquer.

Para estas pessoas onde o Budget também não é um problema e querem algo simples, tem ainda opção de Lumia 930 por exemplo, um equipamento topo de gama com uma fluidez como nunca vi. Mas lá está, isto são meras suposições e exemplos que dependerão sempre do consumidor final.

Eu continuo a achar o Sistema Operativo android o melhor de todos, devido ás suas capacidades de personalização sem “truques de jailbreaks”, mas temos de ter a mente aberta que nem sempre Android é a melhor opção.

Por falar em Smartphones….Sabes a História do Smartphone? Fica com o vídeo abaixo e aproveita para apoiar a tecnologia falada em Português e subscrever o nosso Youtube.

Talvez queiras ver:

  • Facebook é alvo de litígio por aceder a mensagens privadas
  • LG G3 explode ao carregar com acessórios oficiais
  • Mythbusters mostram as potencialidades do Corning Gorilla Glass
  • Será este o Xiaomi MiPad 2? #chinaaopoder
Filipe Alves
Filipe Alves
Fundador do projeto 4gnews e desde cedo apaixonado pela tecnologia. A trabalhar na área desde 2009 com passagens pela MEO, Fnac e CarphoneWarehouse (UK). Foi aí que ganhou a experiência que necessitava para entender as necessidades tecnológicas dos utilizadores.