iPhone 13: eis o motivo para que este seja mais valioso que o iPhone 12

Carlos Oliveira
Comentar

Um novo relatório da entidade SellCell vem mostrar o valor que o iPhone 13 retém no mercado após o seu lançamento. As conclusões revelam que o novo smartphone da Apple perdeu ainda menos valor quando comparado com o iPhone 12.

Todos sabemos que o iPhone é o smartphone que menos valor perde no mercado após o seu lançamento. Essa tendência acentua-se ainda mais no caso do iPhone 13 em virtude da conjuntura atual que afeta a sua disponibilidade para venda.

Escassez de componentes aumenta valorização do iPhone 13

Sem grande surpresa, a SellCell culpa a atual escassez de componentes pela sobrevalorização do iPhone 13. Visto que muitos utilizadores estão com dificuldades para adquirir uma unidade deste equipamento, é natural que os exemplares nas mãos dos utilizadores sejam ainda mais valiosos.

iPhone 13

Quando comparado com o iPhone 12, o iPhone 13 perdeu menos de metade da sua valorização nos primeiros dois meses após a sua compra. É, de igual modo, o modelo da Apple com menor desvalorização de sempre neste intervalo, com uma perda de valor de apenas 25,5%.

Este estudo demonstra que, caso queiras vender já o teu iPhone 13, ele valerá bem mais do que qualquer um dos seus antecessores nas mesmas condições. Ou seja, a escassez de componente não só penaliza quem procura um iPhone novo, como os que procuram um no mercado de usados.

Os iPhone 13 não só demoram mais tempo a perder valor, como conseguem recuperar algum após a queda inicial do pós-venda. Aquele que recupera mais valor é o iPhone 13 de 128 GB com uma taxa de 1,8%.

Em seguida, surge a versão com 512 GB de armazenamento com uma recuperação de valor de 1,7%, ao passo que a versão de 1 TB recupera 1,7%. O iPhone 13 Mini rompe com este padrão devido à sua incapacidade de recuperar valor após o seu lançamento.

Para o futuro, a SellCell dúvida que o iPhone 14 consiga replicar aquilo que damos agora a conhecer para o iPhone 13. Isto porque a entidade espera que a escassez de componentes não se arraste para 2022 / 2023.

Editores 4gnews recomendam:

Carlos Oliveira
Carlos Oliveira
Tendo já passado por várias casas, a 4gnews é aquela que me segura desde 2015. Com um desejo insaciável de me manter atualizado tecnologicamente, a partilha desse conhecimento é apenas o seguimento natural das coisas.