Intel: novo CEO aponta Apple como 'alvo a abater'

Abílio Rodrigues
Comentar

Confirmam-se os rumores que têm sido avançados desde o final de dezembro de 2020, a Intel nomeou um novo CEO que terá como objetivo devolver o domínio de mercado à companhia. Pat Gelsinger assume a cadeira que pertencia a Bob Swan e já parece ter definido o grande rival da Intel.

Gelsinger assume o cargo durante o mês de fevereiro mas já terá dito internamente que a Intel terá de fazer melhor do que a Apple se quiser recuperar o terreno perdido para as rivais nos últimos anos.

Apple é a grande rival da Intel neste momento

Apesar da AMD, TSMC e Samsung terem também superado as ofertas da equipa azul no mercado de processadores, o novo executivo aponta baterias à Apple como sendo o alvo a abater. As palavras de Pat Gelsinger foram até algo duras, referindo-se à Apple como "a empresa de estilo de vida de Cupertino."

Segundo relatos de uma reunião durante o fim-de-semana passado, Gelsinger afirmou que a Intel terá de ser tão boa como a companhia de Tim Cook caso queira ter alguma chance de regressar à mó de cima.

A Intel estará ainda ressentida com o facto da Apple ter abandonado a sua parceria com a marca para começar a entregar produtos com os seus próprios processadores. Até agora o M1 tem-se provado um enorme sucesso, plenamente capaz de entregar um desempenho e autonomia bem superiores ao dos processadores Intel.

Depois de ter roubado a coroa do gaming à Intel, a AMD é agora uma ameaça também no espaço mobile com os chips Ryzen 5000 a aproximarem-se bastante do que a marca de Pat Gelsinger é capaz de oferecer.

Novo CEO quer voltar a ultrapassar Apple e AMD

Bob Swan será substituído por Gelsinger a 15 de fevereiro e este último terá agora de definir estratégias alternativas para combater a posição de poder das suas principais rivais. É sabido que a equipa azul tem tido grande dificuldade em passar para um processo de fabrico de 10nm, considerando até entregar a produção à TSMC ou Samsung.

Os processadores de 7nm da Intel estão também adiados até pelo menos 2022, facto que dificulta a tarefa da nova gerência, numa altura em que os principais investidores começam a dar sinais de grande insatisfação.

A decisão de entregar a produção - mesmo que parcial - às rivais seria tomada durante o mês de janeiro mas com a transição para um novo corpo executivo pode ser adiada por algumas semanas.

Editores 4gnews recomendam:

  • Apple: MacBook Pro podem fazer regressar uma funcionalidade adorada
  • Xiaomi Redmi 1A: o monitor barato e bom que podes comprar
  • Samsung está pronta para trazer uma câmara por baixo do ecrã! Mas não será em smartphones
Abílio Rodrigues
Abílio Rodrigues
Apaixonado por tecnologia desde que montou o seu primeiro computador, continua em fase lua-de-mel com tudo o que envolva um processador e permita umas sessões videolúdicas.