Indústria redobra esforços e atinge recordes de produção de chips em junho de 2021

Rui Bacelar
Comentar

A atual crise na indústria dos semicondutores forçou as fabricantes a redobrar a sua atividade no sentido de dar resposta a, pelo menos parte, da gigante procura que se faz sentir. Desse modo, registou-se agora um novo recorde de produção de chips no mundo!

Com a procura a ultrapassar largamente a oferta, vários setores de produção e atividade económica sofrem com a escassez de componentes, algo que não passou despercebido a nenhuma parte envolvida. Bem pelo contrário, a produção também aumentou.

Nunca se produziram tantos chips como em junho de 2021

Chips semicondutores

Entre as maiores produtoras mundiais conta-se a taiwanesa TSMC. Com efeito, a empresa aumentou em 30% o volume de produção de chips e semicondutores para a indústria automóvel durante o primeiro semestre de 2021 face ao primeiro semestre de 2020.

O crescimento na produção, sem ainda conseguir dar resposta à procura, trouxe um aumento nas receitas das fabricantes. Com efeito, as 9 maiores produtoras de chips no mundo arrecadaram mais de 64,7 mil milhões de dólares, ou mais de 55 mil milhões de euros em receitas arrecadadas com a venda dos componentes finalizados durante os primeiros seis meses de 2021.

Estas são as conclusões avançadas pela publicação Nikkei Asian Review. A publicação cita o esforço conjunto das maiores fabricantes neste segmento liderado pela Samsung, entidade que ultrapassou recentemente a Intel na produção de chips.

Em junho de 2021 atingiu-se o pico na produção de chips

Chips semicondutores

Com base nas estatísticas fornecidas pelas empresas TSMC, Intel, Samsung Electronics, Micron Technology, SK hynix, Western Digital, Texas Instruments, Infineon Technologies e STMicroelectronics, o relatório dá-nos uma visão global da produção.

Com efeito, todas as empresas aumentaram as suas infraestruturas e reforçaram a cadeia de produção. Todas, sem exceção, registaram um aumento no volume de chips e semicondutores produzidos, aumentando o volume a chegar ao mercado.

Desse modo, conseguiram aumentar o stock de componentes disponíveis em 24% até ao fim do último mês de março. Foi um esforço concertado no sentido de dar resposta à procura, ainda que esta continue a superar a oferta disponível.

A procura continua a superar a oferta de chips e semicondutores em 2021

Tendência que se deverá alastrar para 2022, provocando atrasos na cadeia de produção das mais variadas indústrias. Atualmente, de acordo com os dados fornecidos, o ritmo de produção e acumulação de stock fica bastante atrás do ritmo das vendas.

Isto é, as fabricantes não conseguem acumular stock de chips e semicondutores ao mesmo ritmo que estes são procurados e comprados pelas demais empresas. Na prática, a procura continua a superar a oferta, algo que se deverá manter em 2022.

Entre as indústrias mais afetadas está a automóvel que tem vindo a ser obrigada a diminuir o ritmo de produção. No entanto, também a indústria dos smartphones e dispositivos móveis foi obrigada a tomar medidas no sentido de contornar este obstáculo.

Por fim, as próprias fabricantes de chips têm vindo a reclamar da acumulação de encomendas, algumas repetidas. Isto mostra o sentido de urgência das encomendas, bem como a incapacidade de dar resposta aos volume exigidos.

Em síntese, não há atualmente uma solução e fim à vista para a escassez de componentes, nem mesmo com os novos recordes de produção.

Editores 4gnews recomendam:

Rui Bacelar
Rui Bacelar
Na escrita e comunicação repousa o gosto, nas leis a formação. É na tecnologia que encontrou o seu expoente máximo e na 4gnews a plataforma ideal para a redação e produção de vídeo.