Imagens do Xiaomi Redmi Note 8 Pro deixa-nos triste com uma decisão da Xiaomi!

Filipe Alves
Comentar

O Xiaomi Redmi Note 8 Pro será revelado ainda este mês e se os prognósticos até eram positivos, à medida que nos aproximamos da data de revelação oficial, temos tido surpresas menos positivas.

Hoje temos as alegadas imagens oficias do smartphone e não podemos deixar de notar no sensor biométrico traseiro. Isto significa que o terminal não contará com um leitor de impressões digitais no ecrã e possivelmente não teremos a implementação da tecnologia AMOLED.

Xiaomi Redmi Note 8 Pro

Escolhas para o Xiaomi Redmi Note 8 Pro não são as melhores

O smartphone, que deverá ser o primeiro a contar com uma câmara de 64MP, contará também com escolhas questionáveis para o seu interior.

Primeiramente temos a troca da Qualcomm para a MediaTek. O novo terminal trará o processador MediaTek Helio G90T. Um chip de qualidade mas que não deixa de ser MediaTek. Esperemos apenas que a fabricante de processadores chinesa tenha melhorado o processo de atualização dos seus processadores com os novos sistemas operativos.

Xiaomi Redmi Note 8 Pro 2

Depois temos também o tal sensor biométrico na traseira. Isto quer-nos dizer que o terminal deverá ter um preço mais em conta, porém, não contará com um ecrã OLED ou AMOLED.

Este tipo de ecrã é perfeito para contrastes e autonomia. Acima de tudo, é o único que consegue incorporar sensor biométrico embutido.

Esperemos que as surpresas tenham terminado

Esperemos que as surpresas menos positivas tenham parado por aqui. Estava entusiasmado para ver o que o Xiaomi Redmi Note 8 Pro tinha para oferecer.

As 4 câmaras traseiras e o sensor de 64MP prometiam muito. Porém, a escolha do sensor biométrico "antigo" e a introdução de LCD poderá ser uma "deal breaker" para alguns utilizadores.

Editores 4gnews recomendam:

Comentar
Filipe Alves
Filipe Alves
Fundador do projeto 4gnews e desde cedo apaixonado pela tecnologia. A trabalhar na área desde 2009 com passagens pela MEO, Fnac e CarphoneWarehouse (UK). Foi aí que ganhou a experiência que necessitava para entender as necessidades tecnológicas dos utilizadores.