Huawei ignora o clima de desconfiança e luta pela autossuficiência

Rui Bacelar
realidade aumentada óculos smartphone dobrável 5G Android Huawei MediaPad M5 Huawei Mate 10 ProAndroid
A fabricante chinesa está perfeitamente a par das tendências no mundo Android ©reuters

Alheia à controvérsia que a rodeia, a Huawei continua a olhar para o futuro com optimismo e inabalável dedicação. A fabricante de dispositivos móveis Android já ultrapassou a Apple e agora quer tornar-se autossustentável, preparando também a chegada do padrão 5G.

Sendo acusada pelos Estados Unidos da América de conspiração e violação das sanções impostas ao Irão e Coreia do Norte, recentemente a sua CFO seria detida no Canadá. Todavia, deste então Meng Wanzhou já se encontra em liberdade, ainda que sujeita a várias restrições como o impedimento de saída da cidade de Vancouver.

Vê ainda: Facebook Watch não é (ainda) uma ameaça para o YouTube

Entretanto, também na Europa já se levantam ventos de suspeita em torno desta fabricante Android sediada na China. Mais concretamente, a cúpula da Comissão Europeia advertiu recentemente que toda a Europa devia desconfiar da Huawei e dos seus desígnios.

Huawei ignora as pressões dos Estados Unidos da América e olha para o futuro com o 5G

Todavia, Portugal permanece alheio a esta onda de descrédito e boicote aos produtos e serviços da Huawei. Entretanto, a fabricante Android continua a investir avultadas quantias na pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias. Em primeiro lugar preparando já o caminho e as infra-estruturas necessárias para a implementação do padrão 5G. Em segundo lugar, afirmando-se também no mercado de processadores ou chipsets. O objectivo? Tornar-se autossuficiente para poder contornar completamente a "Cortina de Silicone". Expressão cunhada por Gus Richard, analista da agência Northland Capital Markets.

Samsung Xiaomi smartphone dobrável 5G Huawei Y3 (2018) Huawei Y5 Prime Huawei Y6 (2018) Xiaomi EUA Huawei P20 câmara DSLR
Na imagem temos Richard Yu, executivo da Huawei. ©reuters

Ainda assim, é sem dúvida a escalada da Huawei no mercado de smartphones que mais impressionou o mundo. As agências de análise de mercado comprovam a sua subida ao 2º lugar no mercado mundial, tendo ultrapassado a Apple no início de 2018.

Todavia, há cerca de dois anos atrás, entre 2015 e 2016, a Huawei apresentava uma quota de mercado de apenas 9%. Em suma, foi uma subida meteórica até ao topo, estando já na cauda da atual líder, a sul-coreana Samsung. Veja-se o atual panorama segundo a IDC.

Em segundo lugar, a Huawei continua a colocar cada vez mais recursos no seu departamento de pesquisa e desenvolvimento. Aqui bem como na produção de novos processadores (chipsets) para, mais uma vez, reforçar a sua autossuficiência.

Autossuficiência, o objectivo último desta fabricante Android

Em suma, neste momento a conduta e ambições da Huawei vão ao encontro da agenda de Xi Jinping, o líder da China. Jinping quer que a China se torne autossuficiente no mercado de semi-condutores (chips, processadores, etc). Por conseguinte, os interesses de ambas as entidades estão perfeitamente alinhados.

India smartphones Huawei Apple Samsung Android Oreo Go Edition Escolha do consumidor Android Xiaomi Huawei Mate 10 Pro Android Oreo
A tecnológica chinesa soube manter-se firme.©reuters

Ao passo que o líder da China quer que o país deixe de ser um mero produtor de componentes básicos e se torne gradualmente num novo oásis de tecnologias de ponta, a Huawei investe nisso mesmo. Passando da produção básica para indústrias mais lucrativas e com maior valor acrescentado.

Impôs-se uma "Cortina de Silicone" entre a Huawei e os Estados Unidos da América

Em terceiro lugar, neste momento a fabricante Android possui um laboratório secreto, uma área onde raramente chegam visitantes. Aí, a Huawei reune várias maquetes, vários modelos de empresas, bancos e mesmo cidades podem operar com os seus equipamentos.

Em suma, uma área restrita onde a Huawei testa as possíveis implementações das suas soluções e equipamentos. Área apelidada de "Casa Branca", reunindo os mais ambiciosos planos da empresa bem como os seus novos produtos.

A Huawei está a tornar-se numa das maiores empresas mundiais na sua área de operações. Já segundo os analistas de mercado, a empresa poderá deverá crescer exponencialmente até 2025. Aqui sem ter em conta o mercado norte-americano e respectivos aliados, locais onde a Huawei é "persona non grata".

Editores 4gnews recomendam:

OnePlus 6T: o papel do YouTube no sucesso deste smartphone Android

Youtube Rewind 2018 é oficialmente o vídeo mais odiado do Youtube

Instagram prepara-se para receber mais uma característica do Facebook

Fonte | via

Rui Bacelar
Rui Bacelar
Na escrita e comunicação repousa o gosto, nas leis a formação. É na tecnologia que encontrou o seu expoente máximo e na 4gnews a plataforma ideal para a redação e produção de vídeo.