HomTom cresce na China devido à tecnologia de Íris utilizada no Note 7

Filipe Alves

HT10首页图

Já aqui falamos da HomTom várias vezes, a empresa Chinesa tem vindo a crescer no mercado com o passar do tempo, principalmente no mercado Asiático.

Se a Samsung ficou destronada com a recolha do Samsung Galaxy Note 7, a HomTom só tem motivos para sorrir.

Vê ainda: Ulefone Tiger: o melhor GPS que podes comprar por menos de 99€?

A empresa incorpora a mesma tecnologia utilizada no Samsung Galaxy Note 7 no seu flagship de 250€ HomTom HT10, um terminal de baixo custo mas com características bem interessantes.

Sabe os detalhes do HomTom HT10 aqui

A HomTom esteve presente na feira de tecnologia em Hong Kong (HK Global Source Exhibition) onde ganhou o prémio de "Most Promising 5 Electronics Gadgets at China Daily Innovation", um prémio pouco reconhecido no mercado Europeu mas que mostra qualidade e irreverência no mercado Asiático.

homtom-feira

Este prémio atribuído ao HomTom HT10 reconhece não só a característica de desbloqueio por íris mas também o facto de nos dar o processador MediaTek Helio X20, 4GB de RAM e ainda ecrã 5.5" FHD.

Sabe os detalhes do HomTom HT10 aqui

A HomTom apresentou também neste feira o HomTom HT17, o primeiro smartphone com capacidade de gravar vídeos em 3D (vídeo abaixo). A empresa admite que a tecnologia ainda está muito crua e só pretende lançar quando tudo estiver em perfeitas condições, espera-se que tal aconteça no início do próximo ano.

Estas são boas notícias para o mercado de smartphones de gama-média e ainda mais para aqueles que gostam de ver o seu dinheiro bem valorizado quando investem num novo smartphone.

Talvez queiras ver:

Segundo EvLeaks OnePlus 3T chegará por volta dos 480€

Xiaomi prepara-se para lançar mais dois smartphones

Moto M cai em leak e mostra-nos uma bruta bateria de 5100 mAh

Filipe Alves
Filipe Alves
Fundador do projeto 4gnews e desde cedo apaixonado pela tecnologia. A trabalhar na área desde 2009 com passagens pela MEO, Fnac e CarphoneWarehouse (UK). Foi aí que ganhou a experiência que necessitava para entender as necessidades tecnológicas dos utilizadores.