Google também quer ser um banco e isso é mau para todos! Entende

Filipe Alves
Comentar

A Google prepara-se para lançar o seu banco. Para ser mais concreto, a empresa tenciona fazer uma parceria com a Citigroup de forma a fornecer aos seus utilizadores contas bancárias.

Seguindo as pisadas da Apple, com o mais recente Apple Card, a Google acredita que esse é o passo mais importante do mercado neste momento. Contudo, é também preocupante e vais perceber a razão.

Banco da Google deverá ser grátis porque eles querem algo mais

Google Banco

A Google tenciona criar um banco sem quaisquer custos para os utilizadores. Pelo menos à primeira vista. Isto porque o objetivo máximo passa por saber quando dinheiro é que o utilizador tem e onde o gasta.

Ou seja, tal como outros serviços Google que temos no mercado, como por exemplos os Mapas, Google Fotos ou qualquer outro, o serviço fornece ainda mais dados à Google sobre a nossa vida. Em síntese, "quando o produto é grátis, é porque o produto és tu!"

Isto para que nos encaminhem publicidades indicadas para nós. Pelo menos para já. Isto porque até ao momento os executivos responsáveis da Google até que "não são má gente".

O futuro é incerto e a tua informação vale dinheiro

Imagina que daqui a uns anos o conselho executivo da Google vira para pessoas que querem fazer ainda mais dinheiro com a tua informação? Já imaginaste aquilo que conseguem ter acesso?

Com a criação de um banco a Google fica com os detalhes que até ao momento não tem. Quanto dinheiro é que os utilizadores tem na conta.

Para que a Google consiga criar um banco terá de passar por imensos reguladores e a preocupação principal é essa mesmo. O monopólio da empresa ficará ainda maior sabendo quanto dinheiro os seus utilizadores têm e onde o gastam. Assim sendo, teremos de esperar para ver e perceber até que ponto é que a gigante empresa conseguirá tal proeza.

Editores 4gnews recomendam:

Comentar
Filipe Alves
Filipe Alves
Fundador do projeto 4gnews e desde cedo apaixonado pela tecnologia. A trabalhar na área desde 2009 com passagens pela MEO, Fnac e CarphoneWarehouse (UK). Foi aí que ganhou a experiência que necessitava para entender as necessidades tecnológicas dos utilizadores.