google_plus_one_+1_battery

Em 2012 uma equipa liderada pelo Dr. Ramesh Bhardwaj, antigo “expert” de baterias da Apple, começou a testar baterias, fabricadas por outras marcas, em aparelhos da Google. Um ano mais tarde, o grupo foi aumentado no intuito de desenvolverem baterias personalizadas capazes de integrar diferentes dispositivos da Google.

“A Google quer controlar o seu próprio destino em termos de hardware”, “Os suas movimentações nos mercados dos drones, carros e outros hardwares precisam de melhores baterias” disse Lior Susan, líder das estratégias de hardware da Formation 8.

   

Nos últimos anos  Google tem tentado entrar em industrias como transportes, saúde, robótica e comunicação criando dispositivos que necessitam de baterias eficientes. Em 2013 o Chefe Executivo Larry Page disse que a autonomia das baterias para dispositivos portáteis é “um grande problema” que tem “bastante potencial para criar novas e melhores experiências”.

O Dr. Bhardwaj revelou que a Google tem pelo menos 20 projectos que dependem de baterias. O novo carro que se conduz sozinho ou os Google Glasses são só um exemplo dos muitos dispositivos da Google, que precisam de diferentes tipos de baterias.

Um dos projectos que a Google tem estado a trabalhar trata-se de uma bateria flexível/sólida. Estas baterias poderiam substituir as actuais baterias liquidas constituídas por químicos por baterias sólidas que seriam com certeza mais seguras, além disso, seriam mais pequenas. Constituídas por finas camadas seriam perfeitas para smartwears.

Felizmente, a Google não é a única a tentar desenvolver novas baterias. E, num mercado onde é difícil marcar a diferença pequenas grandes coisas, como a autonomia, poderiam ser um factor importantíssimo para a escolha de um qualquer dispositivo.

Talvez queiras ver:7

 

Diz o que tens em mente nos comentários abaixo. E que tal ajudares um projeto Português? Sabe mais

Queres ser nosso amigo? Segue-nos nos meios de comunicação.