Google Home: invocar a assistente sem "ok Google" é possível mas ainda está em fase experimental

Filipe Alves
Comentar

Uma das coisas que mais aborrece os utilizadores Google Home é ter de chamar pelo nome de uma empresa para executar tarefas. Enquanto que a concorrente, Amazon, deu um nome à sua assistente, os utilizadores da Google Home têm mesmo de pedir à empresa que lhes faça algo.

Porém, parece que a Google está a trabalhar numa forma de não dizeres nada e conseguires executar os comandos de voz. Por exemplo, em vez de dizeres "Ok Google, como está o tempo?", perguntares apenas "Como está o tempo?".

Este é um software em fase experimental na Google Home

De acordo com o leaskster Jan Boromeusz, que já se revelou correto inúmeras vezes sobre os dispositivos inteligentes da Google, esta é uma funcionalidade que está apenas disponível para testes com os seus funcionários. Ou seja, ainda nada é garantido que acontecerá no futuro.

Como funcionará a Google Home sem o "Ok Google"

Google Home Nest

Ao que parece a funcionalidade é apenas para o Nest Hub com ecrã. O sensor do smart display detecta que está alguém presente perto do dispositivo e automaticamente fica pronto para executar tarefas.

Mais problemas que soluções

A Google já se pronunciou sobre a situação a indicar que é uma característica experimental e que não há datas para ser lançada ao público. Isto porque a assistente poderia ser chamada para determinadas funções que não são necessárias. Isto é, podias estar a falar com alguém na sala sobre o tempo em Lisboa e não quereres que a Google te respondesse.

Além disso, também nos traz questões sobre a privacidade dos seus utilizadores. Tanto a Google como a Amazon estiveram com problemas há pouco tempo por empresas contratadas estarem a ouvir os pedidos das suas assistentes numa forma de "melhorar o sistema". Algo que gerou polémica e que as empresas tiveram de terminar.

Editores 4gnews recomendam:

Filipe Alves
Filipe Alves
Fundador do projeto 4gnews e desde cedo apaixonado pela tecnologia. A trabalhar na área desde 2009 com passagens pela MEO, Fnac e CarphoneWarehouse (UK). Foi aí que ganhou a experiência que necessitava para entender as necessidades tecnológicas dos utilizadores.