Google desiste da Realidade Virtual ao fechar a plataforma Daydream

Carlos Oliveira
1 comentário

Há uns anos atrás, a Realidade Virtual parecia ser a moda do mercado com várias empresas a apostar na tecnologia. A Google inclui-se nesse leque, com o lançamento da plataforma Daydream e ainda os seus óculos Daydream View.

No entanto, a notícia que todos já esperavam foi dada hoje. Através da página de suporte para o Daydream, a Google anunciou o cancelamento da plataforma.

Para os que ainda a utilizam, fica a nota de que o Daydream continuará funcional com todos os recursos existentes. Todavia, não esperes ver o lançamento de novidades para a plataforma de Realidade Virtual da Google.

Daydream

Daydream acaba com o Android 11

A Google nota que a sua plataforma de Realidade Virtual poderá já não funcionar em condições com equipamentos com o Android 11. Escusado será dizer que a versão seguinte do seu software seguirá o exemplo.

Este desfecho já era previsível. Há muito que a Google abandonou a plataforma e não tardou para que os programadores externos lhe seguissem o exemplo, deixando de atualizar as suas aplicações ou até retirar o suporte para o Daydream.

Quando a Realidade Aumentada foi introduzida, muitos acharam piada à ideia de serem transportados para um mundo completamente diferente. Contudo, não tardou para que estes percebessem que a tecnologia pouco acrescentava.

Isso levou a que a compra de óculos compatíveis com a tecnologia caísse abruptamente e, em consequência, o número de utilizadores ativos. Isso foi igualmente preponderante para que os programadores abandonassem a ideia, o que nos traz a esta notícia.

Se vês apelo na tecnologia de Realidade Virtual, ainda existem algumas propostas no mercado. Os Oculus são uma boa alternativa, contudo, o seu elevado preço poderá demover muitos potenciais utilizadores.

Editores 4gnews recomendam:

Carlos Oliveira
Carlos Oliveira
Tendo já passado por várias casas, a 4gnews é aquela que me segura desde 2015. Com um desejo insaciável de me manter atualizado tecnologicamente, a partilha desse conhecimento é apenas o seguimento natural das coisas.