Google cria Inteligência Artificial capaz de reconhecer odores

Carlos Oliveira
Comentar

A equipa Brain Team da Google desenvolveu uma Inteligência Artificial que possui a peculiar capacidade de reconhecer odores. Os responsáveis acreditam que esta tecnologia poderá influenciar positivamente áreas como a química, nutrição humana, neurociência sensorial ou o fabrico de fragrâncias sintéticas.

Esta IA consegue associar moléculas a odores

A equipa a cargo desta investigação criou uma base de dados com mais de 5000 moléculas identificadas por odores. Cada uma delas recebeu descrições como "amanteigado", "tropical" ou "erva daninha".

Cheirar

A equipa utilizou cerca de um terço dessa base de dados para treinar esta Inteligência Artificial. A ideia era que a IA conseguisse associar determinadas moléculas à descrição oferecida.

O restante da base de dados foi usada para testar a IA e a sua capacidade de conseguir associar uma determinada molécula a um odor. Os resultados desses testes revelaram-se positivos.

Ainda assim, temos de ter em conta que mesmo para o Ser Humano esta não é uma ciência exata. A mesma pessoa pode perfeitamente confundir dois odores muito semelhantes, como o cominho e a hortelã.

As coisas podem ficar ainda mais complicadas quando se começa a misturar odores. Aí as coisas não serão tão lineares e resta saber como se portará esta Inteligência Artificial num desses casos.

Google não é a primeira a abordar este conceito

Ainda este ano foi apresentada, num evento em Londres, uma tecnologia de machine learning que se propôs a recriar o odor de uma flor em extinção. Na Rússia, uma IA está a ser treinada para identificar odores de gases potencialmente mortíferos.

Temos ainda o caso da IBM que está a desenvolver uma Inteligência Artificial capaz de gerar perfumes. Como podes ver, esta abordagem não é tão surreal como poderíamos pensar num primeiro momento.

Editores 4gnews recomendam:

Comentar
Carlos Oliveira
Carlos Oliveira
Tendo já passado por várias casas, a 4gnews é aquela que me segura desde 2015. Com um desejo insaciável de me manter atualizado tecnologicamente, a partilha desse conhecimento é apenas o seguimento natural das coisas.