Google baniu 1,2 milhões de aplicações na Play Store

Mónica Marques
Comentar

A Google acaba de revelar estatísticas de segurança na Play Store, relativas ao ano de 2021 e os dados são impressionantes.

A gigante de pesquisas baniu 1,2 milhões apps na Play Store, assim como eliminou 190.000 contas de programadores maliciosos e de spam. Google está a apostar em força na segurança da sua loja de aplicações.

Google fechou 190 mil contas de programadores maliciosos e de spam

Google Play Store
Google introduziu a secção Segurança de Dados na sua loja de aplicações

Privacidade e segurança são atualmente as palavras de ordem para a Google no que diz respeito à sua loja de aplicações Play Store. Recentemente foi noticiado que a empresa está a desativar todas as aplicações de terceiros que gravam chamadas, assim como introduziu a nova secção "segurança de dados" na sua loja que solicita aos programadores mais informação sobre os dados recolhidos dos utilizadores.

E da ação a Google passou à divulgação de dados, tendo apresentado agora o seu relatório de segurança da Play Store referente ao ano de 2021. Pelos números impressionantes que foram divulgados, a empresa não terá tido um ano sossegado.

De acordo com as informações, a gigante tecnológica baniu 1,2 milhões de aplicações por estas não respeitarem as suas políticas de segurança e privacidade. Pela mesma razão, removeu 190 mil contas de programadores maliciosos e de spam. Também 500 mil contas de programadores inativas ou abandonadas foram fechadas.

Por outro lado, a Google esclareceu também que 98% das aplicações migradas para Android 11 reduziram o acesso a APIs confidenciais. Aqui está incluída a API de acessibilidade que agora está ativa apenas para utilização específica e não para gravação de chamadas.

A partir de 1 de novembro algumas apps estão fora da Play Store

Também no sentido de reforçar a segurança e privacidade dos utilizadores, a Google já fez saber que a partir de 1 de novembro todas as aplicações que não usem destinos da API por dois anos, vão deixar a Play Store.

Para a Google, todos os utilizadores que atualizam os seus dispositivos com regularidade "esperam realizar todo o potencial das proteções de privacidade e segurança que o Android oferece", daí a medida da gigante de pesquisa.

Neste momento, os programadores que queriam disponibilizar uma aplicação na Play Store têm que cumprir a meta da API do Android da versão principal mais recente. Caso não o façam, correm o risco de a aplicação desaparecer da loja da Google.

Editores 4gnews recomendam:

Mónica Marques
Mónica Marques
Como jornalista de tecnologia assistiu à chegada do 3G e outros eventos igualmente inovadores no mundo hi-tech ao longo de mais de 20 anos de carreira.