Google
Departamento do Google

O Departamento de Trabalho dos EUA processou a Google, alegando que a empresa estava a reter informações relevantes para uma auditoria em curso. Durante o processo, a agência encontrou “disparidades no salário dos funcionários do sexo feminino em todo o campo de trabalho”.

Vê ainda: Motorola: Os 5 modelos mais marcantes da marca

De acordo com The Guardian (fonte), a directora regional da DoL, Janette Wipper explicou durante a audiência que a agência tinha concluido que a Google remunerava menos os funcionários do sexo feminino face aos seus colegas do sexo masculino.

   

Numa declaração ao jornal The Guardian, a promotora regional da DoL ( Delegation of Labour), Janet Herold, confirmou a declaração, observando que, embora a agência ainda estivesse a investigar, que “recebeu evidências muito significativas que provam que há assim uma notória descriminação contra os funcionários do sexo feminino nas posições mais comuns na sede do Google”.

Sinais preocupantes de descriminação face às mulheres nos cargos mais comuns na Google

Pelo que a Google não tardou a responder e negou claramente todas essas acusações, referindo que” veementemente discordam com a reivindicação [Wipper]”, e que a empresa não encontrou nenhuma evidência. Referindo que é a primeira vez que ouvem estas alegações, e que o DoL não forneceu à empresa nenhum tipo de informação sobre a sua metodologia ou dados para apoiá-los.

O processo judicial iniciou-se quando a empresa não facultou alguns dados solicitados sobre a remuneração dos funcionários durante uma auditoria em Setembro de 2015. De acordo com a Google, essa informação foi retida por razões privadas, referindo que o pedido do Escritório Federal de Programas de Conformidade de Contrato (OFCCP) era “excessivamente amplo”.

A OFCCPT garante que as empresas que estabelecem contractos federais cumprem a lei federal. Qualquer contratante que faça mais de US $ 10.000 em negócios com o governo por um ano está sujeito à igualdade de oportunidades de emprego pelo regulamento. No qual proíbem especificamente qualquer atitude que discrimine com base na raça, cor, religião, sexo, identidade de género ou origem nacional.

A agência refere que “o Google criou grande parte do fardo sobre o qual agora se queixa”, bem como o facto de que dedicou US$ 150 milhões de dólares para tratar de questões diversas. A agência também observou que a quantidade de negócios que o Google faz com o governo federal é irrelevante quando se trata de conformidade com a ordem federal: mais negócios não significa que a barra para uma auditoria é levantada. Além disso, o OFCCP diz que se tinha oferecido para suportar todo o custo de toda a compilação de informação que se tem feito.

E tu, o que pensas sobre isto?

Outros assuntos relevantes:

Samsung já está a desenvolver o Galaxy S9 além do Note 8

iPhone 8 trará Smart Connector para funcionalidades de Realidade Virtual

Pokémon Go conta com 65 milhões de utilizadores activos!