Home Android

Google acabará com o seu Project Tango em Março

Google Project Tango
Chegará ao fim no dia 1 de março de 2018 @Techcrunch

Lançado oficialmente pela Google em fevereiro de 2014 como parte da sua nova ramificação e aposta na Realidade Aumentada (AR), o Project Tango tornou-se bem conhecido. Não só pelo seu sonante nome mas também pelos frutos que ia criando. Note-se que em 2014 o conceito de realidade virtual e realidade aumentada ainda eram pouco difundidos fora da comunidade tecnológica, algo que a Google ajudou a mudar.

O Project Tango visava desenvolver novos sistemas e novas aplicações para a Realidade Aumentada em dispositivos móveis. Sobretudo em smartphones. Agora, em dezembro de 2017 a tecnológica de Mountain View, California, anunciou que iria deixar de suportar esta iniciativa a partir do dia 1 de março de 2018.

Vê ainda: 28 aplicações gratuitas na Google Play Store para o teu Android

Significará isto que a Google dirá adeus à sua exploração e desenvolvimento de toda a vertente de realidade aumentada? Não. Bem pelo contrário aliás. A Google redobrará os esforços nesta área ao apresentar o Google ARCore, uma nova iniciativa que visa apostar mais no software para os mecanismos de realidade aumentada e não só no desenvolvimento de hardware como era o caso do Project Tango.

Google coloca um ponto final no Project Tango em Março

Em suma, toda a plataforma Project Tango será integrada no novo ARCore (núcleo de realidade aumentada). A partir daí desenvolverão novos produtos, novas aplicações (software) e certamente novos suportes físicos para essas mesmas apps.

O Project Tango teve o seu auge em junho de 2016. Altura em que a Lenovo apresentou o seu Phab2 Pro, o primeiro smartphone do mundo a integrar as capacidades de realidade aumentada da Google.

Era (e é), um enorme phablet. Com ecrã ou tela de 6.4 polegadas o dispositivo trouxe um total de 3 câmaras na sua traseira. Este trio utiliza uma câmara de 16MP RGB (cores), um sensor de profundidade e um sensor para acompanhar os movimentos do objecto. O resultado? Um smartphone capaz de interagir com o mundo real e explorar o potencial da realidade aumentada. Para tal socorria-se de várias aplicações incluídas no dispositivo.

Entretanto, já em 2017, a Asus lançou o seu ZenFone AR, um novo dispositivo capaz de suportar as funcionalidades do Project Tanto e o Google DayDream. Este era bem mais poderoso e já trazia o processador Qualcomm Snapdragon 821.

Contudo, usufruiu de pouca procura e foi rapidamente descontinuado. Apesar disso, trazia uma câmara principal de 23MP, um sensor Sony IMX 318. Contava ainda com um ecrã de 5.7 polegadas Super AMOLED com resolução Quad-HD.

Agora, com a Google a concentrar-se no ARCore, o software será o principal “motor” ou vetor de evolução da Realidade Aumentada (AR) e podemos esperar que a tecnológica tente implementar algumas das suas mais valias nas próximas versões do sistema operativo Android.

Assuntos relevantes na 4gnews:

Samsung Galaxy S9 vs Galaxy S8 – O que mudará nas dimensões?

Samsung Galaxy A8 (2018) e Galaxy A8+ surpreendem em vídeo!

SpeedTest da Ookla – Em 2017 a conexão à NET melhorou cerca de 30%

Viatechcrunch
FonteGoogle
Quando não está a escrever um artigo ou a gravar algum vídeo, o Bacelar tem por hábito saborear um bom livro, descobrir novas bandas sonoras ou simplesmente desfrutar do sol, na companhia de quem mais gosta (MM).