FIFA 21: funcionário da EA terá vendido cartas de Ultimate Team ilegalmente online

Bruno Coelho
Comentar

Se já jogaste Ultimate Team no FIFA, sabes como é difícil adquirir neste modo online os jogadores (cartas) mais valiosos. Agora surgem acusações de que um alegado funcionário da Electronic Arts terá vendido cartas do FUT a troco de dinheiro, num verdadeiro mercado negro.

A polémica a que é dado nome de #EAGate foi exposta nas redes sociais pela conta Arcade-Fut e por jogadores do título da EA, e mostra alegadas conversas entre o funcionário e os interessados em jogadores virtuais.

Como podes ver nas imagens, o grande interesse está em jogadores valiosos da Equipa do Ano ou os chamadas Ícones. E por alguns destes o alegado funcionário da Electronic Arts chega mesmo pedir mais de quantias superiores a 1000 euros.

Estas conversas foram registadas através do WhatsApp e do Facebook Messenger, e mostram que o suposto funcionário se aproveita do facto de conseguir colocar a carta que quiser na conta dos jogadores.

EA Sports diz estar a investigar a situação

A Electronic Arts já veio a público afirmar que está “atualmente a investigar” toda a situação. É referido que se for identificada conduta imprópria, serão tomadas ações. “Queremos deixar claro - este tipo de comportamento é inaceitável, e nem pensar iremos perdoar o que alegadamente aconteceu”. Assim que existam mais dados, a EA promete informar a comunidade.

Tal como referimos, estas cartas são extremamente caras no jogo, e muitos jogadores gastam muito para as tentar conseguir. Além de acabar com qualquer equilíbrio que possa existir, esta atitude coloca jogadores que adquiriram esses jogadores de forma legítima a ser lesados.

Editores 4gnews recomendam:

  • PS5 e Xbox Series X: a tecnologia da AMD que pode fazer a diferença
  • Asus ROG Phone 5 é oficial: o 'rei' do gaming mobile voltou (e não vem sozinho)
  • PlayStation Store com ótima campanha de descontos em jogos
Bruno Coelho
Bruno Coelho
Vive entre a paixão pela escrita, a música e a tecnologia. Licenciou-se em Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior em 2015, e fez parte da equipa que fundou o Jornal de Belmonte. Produziu vários podcasts independentes pelo caminho. Come especificações ao pequeno-almoço.