Captura de ecrã 2015-06-17, às 11.41.53Vamos fazer um pequeno exame de consciência. Quando vamos comprar um smartphone nunca pensamos de onde é que ele vêm, quem são os trabalhadores que o constroem (assumimos automaticamente que vêm de alguma remota região da China, o que não deixa de ser verdade) mas algo em que arriscaria dizer, nunca pensamos, é a proveniência dos materiais e das matérias primas que deram origem a estes produtos.

Para vos situar farei uma referência ao filme “Diamante de Sangue“, aquele com o Leonardo DiCaprio e que estreou em 2006, avivei a memória? Óptimo! Pois bem, não são só os diamantes que são alvo de exploração humana, as matérias-primas para a indústria móvel também estão na base de muitas violações dos direitos humanos.

Face a esta problemática amplamente ignorada, a empresa holandesa, Fairphone, lançou uma campanha em 2013 de crowdfunding ou financiamento comunitário para tentar fazer deste mundo um lugar melhor e apresenta agora a 2ª geração do seu equipamento, o Fairphone 2.

   

Este Fairphone 2 tem um design, uma construção modular que pode ser desmontada com uma simples chave-de-fenda para trocar qualquer componente que esteja avariado ou a precisar de manutenção. Normalmente o componente que mais se substitui é o ecrã ou tela mas raramente se troca a câmara, o CPU, o altifalante ou microfone, etc. Ora, com o Fairphone 2 podemos simplesmente encomendar os componentes necessários e com um pouco de DIY evitamos desperdícios de materiais e tempo nos serviços de garantia ou reparação.

A filosofia do Fairphone 2 é semelhante à do Projecto Ara da Google, isto é, são equipamentos que rompem com o conceito tradicional de smartphone, que nos apresentam um produto que pode ser totalmente personalizado, tal como um computador de torre que montamos peça por peça, de acordo com as nossas necessidades/orçamento.

Enquanto smartphone, o Fairphone 2 irá ser lançado com o sistema operativo Android 5.1 Lollipop e a marca tenciona fazer do software uma open-source para facilitar a vida a todos os criadores e desenvolvedores de ROM’s. A superfície exterior será revestida com um plástico anti-derrapante tal como o Nexus 5.

A nível de especificações técnicas teremos aqui um ecrã de 5 polegadas com resolução 1080p Full HD revestido por Gorilla Glass 3 de 0.7 milímetros de espessura. O seu processador será um SoC Snapdragon 801 com 2 GB de memória RAM, uma câmara traseira de 8 MP, expansão via micro SD, Dual-SIM e 4G LTE.

Teremos uma slot ou porta de expansão livre, na sua traseira, para futuras melhorias, novos sensores que possam entretanto ser desenvolvidos e para que seja possível fazer um upgrade de hardware.

Algo muito interessante e que me despertou o interesse foram as declarações do CEO da Fairphone, Bas van Abel afirma que a troca de componentes no Fairphone 2 será uma experiência onde criaremos laços com o equipamento, onde teremos a responsabilidade de cuidar e preservar o smartphone.

Será este Fairphone 2 um vislumbre do futuro ou apenas mais uma curiosidade tecnológica?

Talvez queiras ver