Facebook quer analisar mensagens encriptadas do WhatsApp pela razão óbvia

Rui Bacelar
Comentar

O Facebook contratou um grupo de investigadores e engenheiros para analisar a encriptação do WhatsApp. O objetivo último será a obtenção de dados a partir das mensagens encriptadas sem ter que as desencriptar o que comprometeria a privacidade.

Segundo um relato, o Facebook tomou esta iniciativa com o intuito de rentabilizar o WhatsApp através de anúncios e publicidade dirigida. A confirmar-se, trata-se da mais recente medida controversa a ser tomada pela empresa de Mark Zuckerberg.

Análise das mensagens encriptadas do WhatsApp para fins publicitários

Exclusive: Facebook is one of several technology giants, including cloud computing providers Microsoft, Amazon and Google, now researching an emerging field known as homomorphic encryption.https://t.co/KoD7XMcRLp

— The Information (@theinformation) 3 de agosto de 2021

Uma das caraterísticas mais apreciadas do WhatsApp - além da sua gratuitidade - é a criptografia de ponta a ponta. Isto significa que apenas as pessoas com permissão poderão ler o conteúdo das mensagens, por norma o remetente e o(s) destinatário(s).

Note-se quem nem o WhatsApp tem a chave de acesso às mensagens enviadas através da sua plataforma. Portanto, isto significa que ninguém tem acesso aos conteúdos partilhados nesta app de mensagens e plataforma de comunicação instantânea.

Facilmente se compreende que, sem acesso ao histórico de mensagens e outros tipos de dados passíveis rentabilização fica difícil, senão impossível, entregar publicidade direcionada ao utilizador. Ora, é precisamente isso que o Facebook quer contornar.

O Facebook quer contornar a encriptação do WhatsApp

Segundo o relato da publicação The Information o Facebook quer contornar este empecilho. Para tal, terá contratado uma equipa de peritos para conseguir extrair os dados necessários para a personalização dos anúncios - publicidade dirigida.

A principal dificuldade? Conseguir fazê-lo sem violar a privacidade dos utilizadores de WhatsApp. Por outras palavras, conseguir obter alguma informação sem desencriptar as mensagens dos utilizadores para posteriormente lhes apresentar anúncios específicos.

A fonte aponta, mais concretamente, que o Facebook quer criar um método de análise dos chats de WhatsApp sem comprometer a sua criptografia. Este processo terá sido apelidado de "homomorphic encryption", ou criptografia homomórfica.

Extrair os dados necessários sem violar a privacidade no WhatsApp

Encriptação Homomórfica

Teoricamente será possível colher informações específicas dos utilizadores sem violar a privacidade do utilizador. De momento desconhecemos como tal será possível, mas, de acordo com o The Information, o objetivo da nova equipa é mesmo esse.

Mais ainda, a intenção do Facebook é também clara, rentabilizar o WhatsApp. Para tal, quererá apresentar publicidade direcionada, necessária para os target ads ou anúncios dirigidos.

Sem surpresa, o Facebook negou esta intenção quando interpelado pela publicação em questão. Mais concretamente, a rede social afirmou que "é demasiado cedo para considerar a encriptação homomórfica para o WhatsApp".

Pode o WhatsApp tornar-se na nova fonte de rendimento para o Facebook?

Nothing comes between you and your privacy. Messaging with a business is optional, and their chats are clearly labeled on the app. You are in control.For more information, please read: https://t.co/55r1Qxv2Wi pic.twitter.com/HswXxRylHo

— WhatsApp (@WhatsApp) 18 de fevereiro de 2021

A notícia surge numa das fases mais conturbadas do Facebook. A empresa está envolvida num braço de ferro com a Apple e o seu iOS 14 com os cartões de privacidade que permitem aos utilizadores bloquear a recolha de dados por parte das aplicações.

A medida, implementada já pela Apple, privou o Facebook de um ingrediente chave para o seu modelo de rentabilização com publicidade direcionada. Sem surpresa, uma porção significativa dos utilizadores iOS não deram ao Facebook permissão para colher dados específicos sobre o seu perfil. O mesmo se aplica às aplicações do grupo Facebook como o Instagram e WhatsApp.

Paralelamente, recordamos o descalabro que foi a alteração na política de privacidade do WhatsApp anunciada em janeiro último. O impacto negativo foi tamanho que o grupo Facebook foi obrigado a atrasar a sua implementação até meados de maio.

Em síntese, o Facebook está agora à procura de novas formas de colher dados dos utilizadores e rentabilizar as suas plataformas e neste caso concreto, o WhatsApp.

Ora, perante o êxodo observado após a divulgação da última alteração às políticas do WhatsApp, esta nova intenção, a confirmar-se, pode provocar outro movimento migratório para plataformas rivais como a Signal e a Telegram.

Editores 4gnews recomendam:

Rui Bacelar
Rui Bacelar
Na escrita e comunicação repousa o gosto, nas leis a formação. É na tecnologia que encontrou o seu expoente máximo e na 4gnews a plataforma ideal para a redação e produção de vídeo.