Ao efetuar uma compra através dos links deste artigo, o 4gnews pode ganhar uma comissão. Conheça o nosso processo de seleção de produtos.

Facebook abre exceção nas suas regras para personalidades públicas

Mónica Marques
Comentar

Alegadamente, o Facebook terá isentado milhões de utilizadores da aplicação da sua política de regras e padrões para a comunidade. A informação é avançada pelo Wall Street Journal que cita documentos internos sobre a situação.

Segundo a mesma fonte de informação, a rede social terá criado o programa Cross Check – ou XCheck – que protege figuras públicas, onde se incluem celebridades e políticos, de regras da empresa contra o assédio sexual e incitação à violência.

Publicação de nus e informação incorreta

Os documentos na posse do órgão de comunicação norte-americano revelam inclusive um caso específico. Mais especificamente, o Facebook terá permitido que o jogador de futebol brasileiros Neymar da Silva Santos Jr publicasse fotos de nus de uma mulher que o acusava de violação. Posteriormente a rede social retirou este conteúdo da sua comunidade.

Os mesmos documentos revelam ainda que foi permitido a alguns utilizadores com alto perfil partilhar informação incorreta, incluindo sobre vacinas contra a Covid-19.

De acordo com a mesma fonte, em 2020 cerca de 5,8 milhões de utilizadores estavam incluídos no programa XCheck, incluindo a maior parte dos funcionários do governo dos EUA. No entanto, alguns candidatos a cargos públicos nao eram abrangidos pelo programa.
Esta não é a primeira vez que o Facebook é alvo de críticas sobre a aplicação justa das suas regras e padrões para a comunidade.

Facebook fala em segunda camada de revisão

WSJ today published a report about a FB system to give a second layer of review to content from high-profile Pages or Profiles to ensure correct application of our policies. If this secret program sounds familiar, it should. Here's what we said in 2018: https://t.co/eqErosKOrR.

— Andy Stone (@andymstone) 13 de setembro de 2021

Por sua vez, o Facebbok já reagiu através de uma publicação no Twitter do seu porta-voz Andy Stone. Recuperando uma publicação de 2018, o responsável explica que a rede social utiliza "uma segunda camada de revisão" para garantir que os conteúdos de altos perfis aplicam corretamente as políticas da empresa. "Não existem dois sistemas de justiça; é uma tentativa de salvaguarda contra erros", garante Stone no Twitter.

Conselho de Supervisão do Facebook apela à transparência

The Oversight Board has expressed on multiple occasions its concern about the lack of transparency in Facebook’s content moderation processes, especially relating to the company’s inconsistent management of high-profile accounts.

— Oversight Board (@OversightBoard) 13 de setembro de 2021

Também o Conselho de Supervisão do Facebbok reagiu no Twitter afirmando que já expressou, em múltiplas ocasiões, as suas "preocupações com a falta de transparência nos processos de moderação de conteúdos do Facebook", nomeadamente no que dis respeito à "gestão inconsistente da empresa das contas de alto perfil".

A secretária-geral da Amnistia Internacional, Agnès Callamard, também se pronunciou sobre o caso, afirmando que a regulamentação governamental é urgente e necessária para garantir que os direitos humanos sejam também protegidos no mundo online. A mesma responsável acrescenta ainda que estas notícias alertam para o facto de não ser possível depender apenas das empresas para se autorregularem.

Editores 4gnews recomendam:

Mónica Marques
Mónica Marques
Como jornalista de tecnologia assistiu à chegada do 3G e outros eventos igualmente inovadores no mundo hi-tech ao longo de mais de 20 anos de carreira.