Este vídeo mostra-te como serão os futuros smartphones dobráveis (impressionante!)

Filipe Alves
Comentar

A TCL, dona da conhecida Alcatel, revelou num vídeo como serão os seus futuros smartphones dobráveis e temos de admitir que parecem estar no caminho certo.

Temos três modelos que podem vir a dar que falar. Um deles, o ecrã "estica" na lateral e já o outro dobra em 3 partes idênticas de forma a nos oferecer um autêntico tablet. O primeiro modelo a ser mostrado é provavelmente o menos "elegante" e é utilizado em formato "concha"

Vê o vídeo dos smartphones dobráveis da TCL

Se não tens paciência para ver o vídeo todo, se bem que vale a pena e são apenas 6 minutos, podes dar um salto nos momento mais importantes.

  • Minuto 1:15: primeiro smartphone dobrável em concha
  • Minuto 2:02: smartphone com ecrã que "estica"
  • Minuto 2:30: smartphone que dobra em 3

Uma visão vanguardista

smartphone dobrável da TCL

Ainda que venha a demorar até que tenhamos este tipo de produtos para o público com um preço vantajoso, acredito que a TCL está a ir no caminho certo.

A empresa sabe que este pode muito bem ser o futuro e é bom que se entre o mais depressa possível. A Samsung, Huawei e Motorola já tem os seus equipamentos dobráveis à venda, contudo, o seu preço e qualidade é seriamente questionável.

Um tablet que dobra em 3 é uma boa ideia

smartphone dobrável da TCL

De todos os produtos tenho de admitir que gostei particularmente do tablet que dobra em 3. Não porque acredito que venha a ser o "smartphone" perfeito para todos, mas, porque é uma forma cómoda de transportar um tablet de 10" polegadas.

Com a evolução tecnológica este tipo de produtos será cada vez melhor e quem sabe se um dia poderei carregar um destes no bolso em vez do portátil na mochila sempre que quiser trabalhar fora de casa.

Editores 4gnews recomendam:

Filipe Alves
Filipe Alves
Fundador do projeto 4gnews e desde cedo apaixonado pela tecnologia. A trabalhar na área desde 2009 com passagens pela MEO, Fnac e CarphoneWarehouse (UK). Foi aí que ganhou a experiência que necessitava para entender as necessidades tecnológicas dos utilizadores.