Este Realme é dos melhores smartphone que podes comprar se queres bom ecrã

Bruno Coelho
Comentar

O ecrã é provavelmente o componente mais importante num smartphone. É para este que passamos tanto tempo a olhar enquanto interagimos com o dispositivo, e convém que este tenha a melhor qualidade possível.

Se estás à procura de um smartphone com um ecrã de relativa qualidade, abaixo dos 1000 €, o Realme GT 2 Pro pode ser a solução para ti. O dispositivo recebeu recentemente 90 pontos no ranking de ecrã da DxOMark.

Pontuação do Xiaomi Mi 11 no ranking de áudio da DxOMark
Pontuação do Realme GT 2 Pro no ranking de ecrã da DxOMark

Realme GT 2 Pro em 4.º lugar no ranking premium de ecrã da DxOMark

Este coloca-no 15.º lugar do ranking global, um pouco abaixo dos 99 pontos do iPhone 13 Pro Max. Mas não é esse o seu campeonato. No segmento premium, fica em 4.º lugar, apenas a 3 pontos do primeiro classificado iPhone 13.

Segundo a DxOMark, o ponto forte do Realme GT 2 Pro é a fiabilidade com que reproduz as cores. Estas igualam o que o utilizador vê na vida real, o que torna satisfatório, por exemplo, tirar fotografias.

Pontos fortes do ecrã do Realme GT 2 Pro

  • Boa fidelidade de cores
  • Toque preciso em toda a superfície do ecrã, incluindo cantos e bordas
  • Suavidade e toque fluido ao navegar ou a jogar

Pontos fracos do ecrã do Realme GT 2 Pro

  • Experiência de vídeo pobre devido à falta de brilho, cores muito saturadas e tons escuros pouco visíveis
  • Distorção visível ao jogar videogame
  • Falta de brilho sob a luz do sol

Quanto a especificações, o Realme GT 2 Pro ecrã um ecrã AMOLED LTPO de 6,7 polegadas. Este tem resolução máxima de 3216 por 1440 pixeis, com 525 pixeis por polegada. De destacar ainda a taxa de atualização de 120 Hz. Caso queiras saber mais sobre a análise da DxOMark, consulta o artigo completo no site oficial.

Editores 4gnews recomendam:

Bruno Coelho
Bruno Coelho
Vive entre a paixão pela escrita, a música e a tecnologia. Licenciou-se em Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior em 2015, e fez parte da equipa que fundou o Jornal de Belmonte. Produziu vários podcasts independentes pelo caminho. Come especificações ao pequeno-almoço.