Esta bateria atómica dura 20 anos e tem um baixo custo de fabrico

Filipe Alves
2 comentários

Os gadgets são fantásticos, contudo, todos eles sofrem de uma comum. Todos eles precisam de uma bateria ou qualquer ligação elétrica de forma a terem autonomia para fazerem o que prometem.

Porém, ainda que a tecnologia continue a evoluir, sentimos que as baterias estão ainda piores que no passado. Isto porque a tecnologia exige mais da bateria e a tecnologia da bateria pouco mudou nos últimos anos.

Bateria atómica com uma autonomia surpreende

Bateria atómica

Esta nova bateria atómica aguenta com 20 anos de utilização. Ou seja, bem mais do que qualquer outra bateria no mercado. O mais impressionante é o seu pequeno tamanho.

Ainda assim, não podemos sonhar com uma bateria destas no nosso smartphone. Pelo menos para já. Esta bateria ainda está em desenvolvimento e é feita para pequenos gadgets.

Ou seja, não me importava de ter uma destas bateria na minha Ring Bell (campainha inteligente da Amazon). Pelo menos não a tinha de carregar de 6 em 6 meses ou ligar diretamente à energia.

Esta bateria baseada em células beta-voltaicas. Isto é, teoricamente dá-nos mais tempo de autonomia e o custo de fabrico é consideravelmente menor do que outras baterias do género.

Ainda é cedo para sonhar

Infelizmente, ainda é cedo para sonhar com esta bateria num dos nossos gadgets. Todavia, como referi, precisamos de evoluções neste setor e este é um passo importante para a tecnologia que move a humanidade.

Algo me diz que é uma questão de tempo até que as palavras "atómica" deixe de assustar as pessoas. A energia de deste tipo é muito mais potente e duradoura que qualquer outra. Assim sendo, parece-me o passo decisivo para mudar e revolucionar a nossa sociedade.

Editores 4gnews recomendam:

Filipe Alves
Filipe Alves
Fundador do projeto 4gnews e desde cedo apaixonado pela tecnologia. A trabalhar na área desde 2009 com passagens pela MEO, Fnac e CarphoneWarehouse (UK). Foi aí que ganhou a experiência que necessitava para entender as necessidades tecnológicas dos utilizadores.