Poderão produtos como o Essential Phone ter impacto no mercado dos smartphones?

Gonçalo Pereira
Essential Phone
Essential Phone

No passado dia 30 de Maio, assistimos ao lançamento de uma nova marca no mundo da tecnologia, com um destaque imediato para o mundo móvel. Estou a falar da Essential, a marca de Andy Rubin que muito conhecemos como um dos criadores do Android.

Vê também: As potencialidades do novo Android O

Com o sucesso com o Android a passar níveis de 70% do mercado, Andy decidiu sair da Google e do ramo da robótica em que se enquadrava nesse momento. Sentindo-se desenquadrado e ao fim de dez do projecto Android, sentiu que estava na altura de começar a olhar para os seus próximos dez anos. A resposta chama-se Playground Global.

Esta empresa fundada por si e mais três membros é vocacionada para investimentos na área da tecnologia, como startups e outros tipo de pequenas empresas com boas ideias a precisar de investimento. Assim surge a Essential.

Com o investimento da Playground, Andy conseguiu pôr em marcha este projecto que começa agora a mostrar os seus primeiros frutos: Essential Phone e Home.

Apesar de equipamentos diferentes e esteticamente interessantes, os pontos que me deixam mais empolgado não são estes que mais facilmente se vêm. Quanto ao Essential Phone, Andy é o primeiro a dizer que esteticamente apenas se limita a seguir a tendência do mercado para 2017, eliminando ao máximo os contornos do ecrã, oferendo um equipamento relativamente pequeno para o tamanho de ecrã que oferece.

Para além dos materiais exóticos e difíceis de fabricar numa escala mais alargada como por exemplo para a Apple ou para Samsung, Andy refere que irá começar devagar, mas prometendo aliar-se a novas empresas e novos materiais para aos construir a escala da sua empresa. Abrindo estas novas linhas de contactos e potenciando o desenvolvimento tecnológico destas empresas satélite, Andy acredita que terá sucesso e este por sua vez trará a escala para competir no mercado.

Essential Phone

Acessórios Essential em "Open Source"

Apesar de poder parecer um pouco ridícula ou até pouco pratica esta ideia dos acessórios, a ideia e a concepção por detrás dos acessórios Essential é genial. Em entrevista Andy esclareceu que estes pequenos pontos magnéticos que vemos na traseira do Essential Phone são só o que segura o acessório no sítio. Na realidade a tecnologia que dá energia e ligação entre o smartphone e a câmara é um componente com as características do USB-C mas que usa uma tecnologia sem fios, que este disponibiliza em código aberto.

Esta mentalidade, na linha com o que vimos inicialmente no Android é que será a chave do sucesso de Andy. Até este ponto, a Essential não se quer impôr como a marca que tens de comprar, mas sim conquistar-te como a marca que vais querer comprar.

Outros assuntos relevantes:

WWDC 2017 – O que pode ser apresentado pela Apple?

As potencialidades do novo Android O

Motorola: O momento exato em que a “Lenovo Moto” chegou ao fim