Os iPhones são mais do que apenas um smartphone no mercado. Os iPhones criaram uma moda, aliás, os dispositivos da Apple em muitos locais do mundo continuam a ser um sinal de status.

Já todos sabemos que os iPhones não são assim tão caros de se fazer, contudo, no final das contas, quando o cliente final encosta a barriga ao balcão a conta bancária sofre um bom bocado.

   

Vê ainda: iPhone 8: novos renders mostram todos os ângulos do smartphone

Neste momento o telefone mais barato da Apple tem o valor de 499€, um preço alto, visto que estamos a falar do iPhone SE, um terminal com design do iPhone 5S e especificações idênticas ao iPhone 6S.

Fabricar um iPhone significa horas de sacrifício e salários baixos

Se queres um smartphone topo de gama da empresa de Cupertino terás de desembolsar no mínimo 779€, isto em Portugal, quando olhamos para o Brasil as coisas são ainda piores com as taxas absurdas.

Mas afinal como é trabalhar na Foxconn, empresa que fabrica o iPhone? Dejian Zeng, estudante da Universidade de Nova Iorque, passou 6 meses a trabalhar na Foxconn para a conclusão de um trabalho de Verão.

Não percas: Silicon Valley: Ninguém consegue trabalhar sem paixão

O vídeo mostra aquilo que já tínhamos ideia, não é fácil trabalhar na Foxconn. Para além do salário ser demasiado baixo as condições de vida são simplesmente aterrorizantes. Uma casa de banho para 200 pessoas?

Poderás ver o vídeo abaixo onde terás uma visão pouco normal de alguém que trabalhou numa fábrica da Apple e que embora as condições não sejam muitas, também guarda boas memórias.

Outros assuntos relevantes:

Motorola: Será ou não a ZUI o próximo User Interface da marca?

Doogee Mix chegará mesmo com processador capaz de aguentar o teu quotidiano

Todos os novos smartphones Pixel incluirão o processador Snapdragon 835

FonteTech Insider

Fundador do projeto 4gnews, sempre olhei para a tecnologia como um pedaço de nós. Desde cedo ligado ao mundo tecnológico, este é literalmente o meu trabalho de sonho.
Amante de vinho e apaixonado pelo meu Vit. Guimarães, acredito ainda que todas as nossas acções são o gatilho para o nosso futuro.