Dyson abandona o seu carro elétrico que podia muito bem destruir os Tesla!

Filipe Alves
17 comentários

A Dyson, empresa conhecida pelos seus aspiradores, secadores de cabelo ou até ventoinhas, tinha um projeto de um carro elétrico que prometia combater de frente com os Tesla.

Contudo, depois de gastar mais de 560 milhões de euros no desenvolvimento do carro elétrico, a empresa deixou de lado a ambição. Segundo Sir James Dyson, fundador e CEO da Dyson, o valor do carro não seria viável face o investimento e a melhor solução seria abandonar o projeto.

Algumas das características do carro da Dyson

Carro elétrico Dyson, combater os carros elétricos da Tesla

  • Design idêntico aos Range Rovers
  • Bateria para 965 quilómetros
  • Dos 0km/h aos 100 km/h em 4.8 segundos
  • Velocidade máxima de 200km/h

O CEO da empresa chegou mesmo a conduzir um protótipo do veículo. Aliás, falou-se que a empresa estaria prestes a abrir uma fábrica em Singapura e até uma linha de construção de baterias.

Criar concorrência aos carros elétricos da Tesla

O próprio CEO referiu que o objetivo deste carro seria combater a Tesla. Os carros elétricos de Elon Musk estão a ganhar mais concorrência à medida que o tempo passa, contudo, está complicado para uma empresa realmente fazer frente aos seus automóveis.

Há muitos carros elétricos no mercado, é verdade, porém, poucos oferecem as características e tecnologia dos carros da Tesla. Esse era o objetivo do carro elétrico da Dyson.

Todavia, dado ao largo investimento, este carro teria de dar um lucro à empresa quase 170 mil euros só para dar lucro à empresa e a todo o dinheiro investido.

A Dyson chegou mesmo a ter mais de 600 pessoas da sua empresa a trabalhar no projeto. Até que no final de outubro do ano passado, acabou com o seu sonho e com o objetivo de centenas de colaboradores.

Editores 4gnews recomendam:

Filipe Alves
Filipe Alves
Fundador do projeto 4gnews e desde cedo apaixonado pela tecnologia. A trabalhar na área desde 2009 com passagens pela MEO, Fnac e CarphoneWarehouse (UK). Foi aí que ganhou a experiência que necessitava para entender as necessidades tecnológicas dos utilizadores.