Novos smartphones Nokia

Sim, eu sei que já se passou uma semana desde a apresentação da Nokia no MWC 2017, mas creio que não há um tempo que se esgote para exprimir-mos a nossa opinião. Depois de uns anos desastrosos sob a alçada da Microsoft, a Nokia está de regresso ao mercado.

Mesmo estando agora sob o comando da HMD, voltamos a encontrar no mercado smartphones Android com o nome Nokia lá inscrito. A empresa finlandesa já havia dado o primeiro passo neste seu entusiasmante regresso com a apresentação do Nokia 6, que, por sinal, foi também ele um enorme sucesso.

Aproveita aqui os melhores descontos em Smartphones

   

Mas com a realização do Mobile World Congress, em Barcelona, estava aqui uma grande oportunidade para a Nokia voltar em força ao mercado europeu. A oportunidade criou-se e a empresa agarrou-a.

Nokia 5

No passado domingo tive o gosto de acompanhar, em direto, a apresentação desta marca finlandesa no maior congresso de tecnologia móvel do mundo. Não foi uma aula de catequese como as apresentações da Apple. Não foi uma apresentação cheia de celebridades como algumas marcas costumam fazer. Mas, acima de tudo, foi uma apresentação que cumpriu aquilo a que se comprometeu.

No decorrer desta semana fui-me apercebendo que a grande maioria dos sites especializados que por lá passaram deram um maior ênfase ao novo Nokia 3310. É claro que este telemóvel merece o seu lugar ao sol, afinal de contas é o renascer de um mito. Mas lembrem-se que foram apresentados mais três smartphones. Bem, na realidade só dois deles são novidade.

Estou a falar dos Nokia 3, Nokia 5 e ainda a versão mundial do Nokia 6. Nenhum destes smartphones é gama alta, mas todos eles têm uma qualidade de construção raramente encontrada nos equipamentos das gamas onde se inserem.

Vê também: Uma semana depois, este é o meu rescaldo do MWC 2017

Nokia: excelente relação qualidade/preço

As suas especificações estão bem dentro dos parâmetros atualmente exigidos para as respetivas gamas. Mas há um outro ponto que será certamente o seu grande trunfo: o preço. O mais caro dos três não ultrapassa os 230€. Nos dias de hoje, onde é que encontras um smartphone com estas especificações e este preço numa loja física? Isto porque o mais certo é que estes smartphones venham a ser comercializados em lojas físicas ainda no decorrer deste ano.

Por fim, mas não menos importante, está o fator marca. Nos anos 90, a Nokia podia ser equiparada à Apple ou à Samsung dos dias de hoje. Ou seja, a marca líder de mercado e que prendia a atenção de qualquer um. Por isso mesmo é que, acredito, quando alguém vir novamente um smartphone desta mítica marca, com Android lá dentro, numa loja física por esse país fora, irá sentir-se, no mínimo, tentado a adquirir um.


É por todas as razões aqui enumeradas que eu acredito que a Nokia irá regressar em força a este competitivo mercado. Falta-nos ainda conhecer um topo de gama produzido pela marca, mas neste momento não sinto essa necessidade, mas desejo que o mesmo seja apresentado. Aquilo que já nos foi apresentado é o suficiente para agarrar a minha atenção e lhes desejar o maior sucesso do mundo. E até quem sabe não poderei vir a comprar algum destes equipamentos num futuro próximo?

Outros assuntos relevantes:

Best of MWC 2017: Huawei P10 e Huawei Watch 2

Best of MWC 2017: O ecrã do LG G6 mereceu a distinção 4gnews

Microsoft fala sobre os seus lançamentos de 2017

O gosto por tecnologia foi algo que esteve sempre dentro de mim. Com o crescer do mercado dos smartphones, também o meu entusiasmo com os mesmos aumentou. Já nos tempos livres, as séries são o meu principal mata-tempo.