CEO da Xiaomi refere qual será o foco nos smartphones da marca

Filipe Alves
Comentar

Não podemos dizer que a Xiaomi é uma marca simples. Ainda que fã da marca, tenho de admitir que há muito porº onde melhorar. Hoje o CEO da Xiaomi referiu na sua conta Weibo qual será o foco no segmento móvel. Ou seja, quais serão as gamas de smartphones que a marca se focará daqui para a frente.

Com a criação da submarca Redmi, Pocophone e Black Shark, a Xiaomi deixou de lado uma quantidade de smartphones que podiam muito ter saído em seu nome. Isto para solidificar nome Xiaomi e simplificar a quantidade de dispositivos que vemos à venda.

Xiaomi Mi Mix 3

Smartphones que serão o foco da Xiaomi

  • Gama Mi (Mi 9, Mi 8...)
  • Gama Mix (Mi Mix 3, Mix 2S...)
  • Gama SE (Mi 9SE...)
  • Xiaomi Mi CC (deverá ser a gama Mi A na Europa com Android One)

Com esta explicação podemos ver que um dos smartphones recentemente apresentados ficou de fora. Falo mais concretamente da gama T. O Mi 9T e Mi 9T Pro foram revelados de forma oficial para nos dar uma variante "global" do Redmi K20 e K20 Pro.

Assim sendo, com esta tomada de decisão, podemos observar que a gama "T" não será propriamente para durar. Pode muito bem ter sido uma variante sem repetição no futuro.

Gama Max e Play desaparecem

Já nos foi referido no passado que a gama Play e Max iria desaparecer. Pois bem, aqui está mais uma prova de tal. A gama "Play" foi criada para nos dar uma boa performance num gama média, porém, o smartphone nunca se conseguiu impôr no mercado.

Já a gama Max, que tinha uma boa legião de fãs, diz adeus porque os novos smartphones conseguem oferecer um ecrã grande. A diferença é a falta das margens nos equipamentos. Dessa forma, não compensa à Xiaomi continuar com uma gama que pode (e deve) bater frente a frente com a gama Mix. Pelo menos no design.

Editores 4gnews recomendam:

Comentar
Filipe Alves
Filipe Alves
Fundador do projeto 4gnews e desde cedo apaixonado pela tecnologia. A trabalhar na área desde 2009 com passagens pela MEO, Fnac e CarphoneWarehouse (UK). Foi aí que ganhou a experiência que necessitava para entender as necessidades tecnológicas dos utilizadores.