Boruto

Boruto começou há quase seis semanas e, embora já cinco episódios se tenham finalizado e mais um chegará amanhã, quarta-feira, há uma questão que continua a pairar na mente de todos mesmo que tentem esquecê-la.

Vê ainda: Prison Break: pequena análise a uma mão completa de episódios

   

O que aconteceu com Naruto? A que se referia Kawaki quando se dirigiu a Boruto, no momento presente e não no passado, dizendo que pode mandá-lo para onde foi o Sétimo Hokage? Pois, ninguém sabe. Ou melhor, Masashi Kishimoto, criador de Naruto, e a sua equipa sabem com toda a certeza.

Por isso, esta semana, depois de uma entrevista concedida à Weekly Shonen Jump, Kishimoto diz que não vê “nenhum problema para que uma personagem que sempre esteve por perto morra” em Boruto. E claro, quer isso se trate de um excelente bluff, também pode indicar que essa é uma realidade com o qual os fãs terão de lidar mais cedo ou mais tarde.

Por outro lado, Kishimoto diz ainda, rindo no final, que “seria um problema se uma personagem como essa morresse” de uma forma bastante banal. E claro, isso faz aumentar ainda mais a hipótese de que Naruto morrerá, ou já terá morrido, visto que a História tem sido narrada sob a forma de analepse.

Pessoalmente, não quero acreditar nessa possibilidade…

Seja como for, o que terá acontecido mesmo? Como fã de Naruto, será com muita pena minha que verei esse facto tornar-se realidade. Não só pelo facto de Naruto ser quem é, no mundo Ninja e no Anime em geral mas, principalmente, porque isso implicaria que alguém como Kawaki fosse mais forte que ele.

Porém, nem se sabe quem é Kawaki ao certo. Por isso, ter-se-á de aguardar um pouco mais para que mais detalhes sejam concedidos aos fãs desta excelente sequela, se assim se pode chamar, de um dos mais famosos títulos de Anime de sempre.

Outros assuntos relevantes:

Netflix confirma segunda temporada de “13 Reasons Why” em 2018

Blade Runner 2049: Vê aqui o trailer oficial!

Próxima temporada de Game of Thrones contará com a intervenção de Ed Sheeran

FonteJogos.UOL.com.br
Desde cedo comecei a interessar-me pelo que podia fazer no computador. Porém, a grande paixão surgiu com o primeiro telemóvel e complementou-se com os smartphones. Nada há a dizer, são simplesmente fantásticos e úteis em todo o tipo de situações.