Avião faz aterragem em aeroporto de forma totalmente autónoma (vídeo)

Carlos Oliveira
Comentar

A Universidade Técnica de Munique desenvolveu uma tecnologia que permite aviões aterrarem de forma totalmente autónoma. Hoje em dia já é possível fazer algo semelhante, mas essa abordagem está dependente de sinais de rádio.

Esse sistema de sinais de rádio está habitualmente apenas disponível em grandes aeroportos. Mas com a tecnologia desenvolvida por esta universidade alemã, aterragens autónomas poderão ser alcançadas mesmo em pequenos aeroportos, sem qualquer interferência humana.

Sistema de aterragem autónoma já foi testado com sucesso

No passo mês de maio, investigadores da Universidade Técnica de Munique levaram a cabo o primeiro teste real desta tecnologia. A bordo do avião seguia o piloto Thomas Wimmer que se mostrou convencido com as potencialidades deste sistema.

Este piloto diz que o avião foi capaz de reconhecer com precisão a pista de aterragem e realizar a manobra mesmo no centro da pista. Ele adianta ainda que todo o processo foi realizado sem qualquer interferência sua.

Avião utiliza câmaras e sistema de GPS para fazer uma aterragem autónoma

Toda esta manobra é alcançada por intermédio de um sistema GPS e câmaras instaladas no próprio avião. O problema com o GPS é que as suas leituras poderão ser imprecisas em condições atmosféricas mais adversas, como nevoeiro ou chuva.

Para assistir nessa tarefa, é colocada no avião uma câmara normal e uma de infravermelhos. A última é preciosa para obter leituras mesmo quando as condições atmosféricas não são as melhores.

Conjugando os dados recolhidos por estes componentes com um software de processamento de imagem, o avião é capaz de determinar quando se está a aproximar da pista e proceder à aterragem.

O significado desta tecnologia para o futuro da aviação

Caso esta tecnologia venha a ser aplicada na aviação comercial, podemos estar na eminência da chegada de aviões sem pilotos humanos. Para já, apenas foi referido que esta tecnologia permite uma aterragem sem qualquer interferência humana.

Resta saber se tal poderá ser igualmente aplicado para manobras de descolagem. No caso de tal ser concretizável, estarão os pilotos humanos em vias de extinção?

Comentar
Carlos Oliveira
Carlos Oliveira
Tendo já passado por várias casas, a 4gnews é aquela que me segura desde 2015. Com um desejo insaciável de me manter atualizado tecnologicamente, a partilha desse conhecimento é apenas o seguimento natural das coisas.