Austrália quer sancionar redes sociais pela partilha de conteúdo impróprio

Atualmente, há inúmeras questões levantadas em torno das redes sociais e do conteúdo que nestas é possível visualizar. Na Austrália, criou-se uma nova legislatura que tomará em consideração tais aspetos.

De facto, os culpabilizados por tais ações serão, finalmente, as próprias instituições – ou plataformas – onde os vídeos e fotos estiverem expostas. Isto é, o Facebook, Twitter, Instagram e muito mais.

Facebook Instagram Social Network

Assim, de acordo com a referida lei, a mesma prevê que alguém presente nas ditas empresas é responsável pela divulgação de tais conteúdos, pelo que deve ser sancionado. Tudo isto, mesmo que a própria rede social alegue não ter conhecimento da existência de tais vídeos, fotografias ou outros ficheiros semelhantes a esses.

Facebook, Twitter, YouTube e muitas outras plataformas entram na equação...

Por outro lado, a mesma leia aplicar-se-á não só a redes sociais, bem como sites, blogs, YouTube entre outros. Logo, qualquer local onde possa ser colocado. Para já, ainda não é certo quais os montantes a aplicar como multa, dado que esses tenderão a variar percentualmente consoante a ação.

Ainda que a mesma seja agora sujeita a uma segunda aprovação, o que é certo é que é uma realidade e passível de entrar em vigor brevemente. E, quem sabe, se o mesmo não acontecerá noutros países, como é o caso de Portugal ou até mesmo no continente europeu.

Sem dúvida que seria uma medida bem-vinda, ainda para mais tendo em consideração a facilidade existente na divulgação de conteúdos que, muitas vezes, se apresentam impróprios para qualquer utilizador de plataformas como estas.

Ainda que seja bastante complicado ter em consideração tudo o que circula numa rede social como o Facebook ou WhatsApp, com mais de mil milhões de utilizadores, a verdade é que as empresas de tal dimensão possuem meios capazes de minimizar os danos causados por este tipo de situações.

Veremos, por isso, se tal virá a ser aplicado na Austrália e, consequentemente, noutros países em todo o mundo.

Editores 4gnews recomendam:

Fonte