Apple ultrapassa a Xiaomi nos ''wearables'' com o seu Apple Watch

Rui Bacelar
Apple Watch iOS Android Google Apple
Em breve ficaremos a conhecer a 4ª geração deste dispositivo móvel.

São os relógios inteligentes mais procurados em todo o mundo. Não apenas o Apple Watch Series 1, como também o Series 3. Estas são as gerações mais populares e mais vendidas em todo o mundo segundo os dados da IDC que aqui demos a conhecer. Estará a nova Mi Band 3 da Xiaomi à altura do wearable da Apple?

Esta agência de análise de mercado publicou recentemente os seus relatórios bem como a agência Canalys. Em ambos os casos ficamos com a clara noção de que estes foram os gadgets mais procurados durante o segundo trimestre de 2018 na sua respectiva categoria.

Vê ainda: AnTuTu revela os 10 smartphones Android mais poderosos em agosto

Agora, como resultado da crescente popularidade destes relógios, temos um novo relatório proveniente da agência IDC. Segundo as novas informações ficamos a saber que em três meses (1 trimestre) foram vendidos cerca de 5 milhões de relógios inteligentes da Apple.

Sendo inegavelmente populares, foram vendidos 4.7 milhões de Apple Watch durante os meses de abril até ao final de junho de 2018. Ademais, este valor permite à tecnológica de Cupertino reclamar para si o lugar cimeiro no mercado de wearables e relógios inteligentes.

Apple ultrapassa a Xiaomi com o seu Apple Watch

Nesse sentido, vemos assim a Apple a conquistar 17% da quota de mercado (wearables) neste 2º trimestre de 2018. Aliás e quase que surpreendentemente vemos a Apple a crescer significativamente face aos 3.4 milhões de Apple Watch vendidos no período homólogo de 2017. Isto é, de um ano para o outro o número de produtos vendidos subiu bastante (3.4 para 4.7 milhões de unidades). Em suma, este está a ser um ótimo ano para a Apple neste mercado nicho dos wearables.

Apple Watch wearables Xiaomi
O volume de vendas da tecnológica de Cupertino subiu consideravelmente ©IDC

Olhando para a tabela podemos ver que a Xiaomi, embora tenha perdido o primeiro (1º) lugar, conseguiu ainda assim vender 4.2 milhões de equipamentos. Considerando que estamos apenas a olhar para os wearables. Coexistindo aqui produtos como as pulseiras e relógios inteligentes, não deixa de ser uma proeza por si só.

Crescimento da Apple superou o da Xiaomi

A fabricante chinesa - Xiaomi - apresentou este ano a nova geração da sua pulseira inteligente, a Mi Band 3. Ainda assim, não foi o suficiente para acompanhar o crescimento da Apple com os seus Apple Watch.

Mais concretamente, a Apple cresceu 38,4% entre 2017 e 2018. Antes de mais nada, durante o 2º trimestre de 2017 havia vendido 3.4 milhões de unidades ao passo que no 2º trimestre de 2018 vendeu 4.7 milhões.

Apple Watch Xiaomi Mi Band 3 wearables
Produtos diferentes, pertencentes ao mesmo mercado. Na imagem temos a Mi Band 3 da Xiaomi.

Números que se traduzem em 17% de quota de mercado atualmente face aos 13.3% obtidos no ano passado - período homólogo. Entretanto e já que estamos no tópico do crescimento, a única marca que fugiu à regra e perdeu terreno foi a Fitbit.

Quase que surpreendentemente a Fitbit caiu 0.7 milhões no volume de vendas face ao período homólogo de 2017. Todavia, consegue mesmo assim vender um total de 2.7 milhões de unidades segundo os novos dados da IDC.

Em suma, o mercado dos wearables está em alta, com um crescimento saudável e distribuído pelas demais fabricantes. De todas elas, a Xiaomi é novamente um caso de sucesso, sendo seguida pela Huawei a nível de crescimento.

Em breve teremos o Apple Watch Series 4 que poderá catapultar a marca de Tim Cook para novos patamares.

Editores 4gnews recomendam:

O que é o Bitcoin? Uma explicação que todos vão entender!

Lojas Xiaomi em Espanha comprometem a privacidade dos consumidores

OnePlus 6T poderá ser o smartphone Android mais importante do ano

Fonte | via

Rui Bacelar
Rui Bacelar
Na escrita e comunicação repousa o gosto, nas leis a formação. É na tecnologia que encontrou o seu expoente máximo e na 4gnews a plataforma ideal para a redação e produção de vídeo.