Apple é líder de vendas de smartphones premium com os seus iPhone

Carlos Oliveira
Apple Watch Apple iPhone X smartphones
O iPhone é, atualmente, um produto cada vez menos acessível ao grande público

O mercado dos smartphones é bastante diversificado nos dias que correm, com opções para todo o tipo de carteiras. Atualmente os Apple iPhone não são para qualquer um, mas noutros segmentos temos propostas que variam imenso em termos de valores.

É inegável que quando olhamos para os iPhone cada vez mais pensamos em smartphones premium e cada vez menos acessíveis. De ano para ano estes equipamentos são mais caros, o que faz com que cada vez menos sejam aqueles com possibilidades financeiras para os adquirir.

Vê ainda: Detesto-te Apple! O dia em que me senti ‘preso’ no ecossistema

Felizmente o mercado Android está cá para resolver este problema. Aqui podemos encontrar propostas para todo o tipo de carteiras. Seja uma que não quer exceder os 100€ neste tipo de compra ou mesmo aquela que pode dar 1000€ por um smartphone.

Mas como será que se tem portado o mercado com a realidade que aqui, sucintamente, descrevo? Sabemos que a Samsung é quem mais smartphones vende, mas será ela quem domina o segmento mais alto?

Apple e os seus iPhone domina claramente nos smartphones acima dos 800€

A resposta a tal é não! Com efeito, é a Apple e os seus iPhone quem continua a dominar o segmento premium no mercado dos smartphones. No entanto, estes resultados podem ter diferentes leituras.

Em primeiro lugar, importa contextualizar estes números. De acordo com o mais recente relatório da Counterpoint Reasearch, é a empresa de Cupertino quem mais vendeu neste segmento de mercado. Por segmento premium entenda-se os smartphones cujo valor de venda se fixa acima dos 400€.

Assim sendo, no segundo trimestre de 2018 os iPhone representam 43% das vendas deste tipo de smartphones em todo o mundo. Aqui temos quase o dobro de equipamentos vendidos quando comparado com a sua rival Samsung, cujas vendas se fixam nos 24%.

iPhone X Android iOS Samsung Galaxy S9 Apple iPhone X Cnet Android iOS

Mas se olharmos ainda mais para cima nos valores o destaque da Apple, e dos seus iPhone, é ainda mais significativo. Ultrapassando-se a barreira dos 800€, estamos a olhar para uma quota de mercado de 88%.

Pois bem, é aqui que as coisas podem ser lidas de diferentes formas, principalmente tendo em conta o período do ano. Por norma, este é o período do ano em que as vendas de iPhones tendem a abrandar. Cenário justificado pela proximidade do lançamento de uma nova geração, em setembro.

O que terá facilitado à Apple arrecadar tamanha quota?

Mas então como é que os iPhone conseguem arrecadar uma quota tão significativa neste período? Repara que estamos a falar num domínio claro quando ultrapassada a barreira dos 800€.

Samsung Galaxy A9 Star Huawei P20 Pro Android Oreo Google
Este é o atual topo de gama da tecnológica chinesa.

Ora, os smartphones Android sofrem de um fenómeno que habitualmente não afeta os equipamentos da empresa de Cupertino. Estou a falar da desvalorização. Com efeito, um iPhone consegue manter o seu valor inicial por muito mais tempo que um Android.

Por exemplo, atualmente existem lojas que já vendem o Samsung Galaxy S9 por pouco mais de 550€. Até mesmo o Huawei P20 Pro já pode ser comprado numa loja nacional por cerca de 750€. Isto para não falar nos topos de gama da Xiaomi ou OnePlus.

Espero que com este pequeno exemplo tenha conseguido transmitir a diferente leitura que consigo fazer destes números. Em suma, estas estatísticas podem não significar que os iPhone tenham vendido de uma forma absurda, mas apenas que não têm assim tanta concorrência quanto isso em termos monetários.

Editores 4gnews recomendam:

Este é o primeiro smartphone Android! E foi lançado há 10 anos!

Xiaomi Mi 8 Lite também deverá chegar Portugal de forma oficial

iPhone XS Max, OnePlus 6 ou Note 9? Quem tem a melhor bateria?

Via

Carlos Oliveira
Carlos Oliveira
Tendo já passado por várias casas, a 4gnews é aquela que me segura desde 2015. Com um desejo insaciável de me manter atualizado tecnologicamente, a partilha desse conhecimento é apenas o seguimento natural das coisas.